Tempo
|
A+ / A-

Câmara de Lisboa aprova continuidade da sala de consumo vigiado de drogas em Alcântara

28 mar, 2022 - 20:04 • Lusa

A Câmara Municipal de Lisboa aprovou hoje, por unanimidade, uma proposta que vai dar continuidade ao projeto de sala fixa de consumo vigiado de drogas no vale de Alcântara e alargá-lo a outras zonas da cidade.

A+ / A-

A proposta, apresentada pela vereadora independente do movimento político Cidadãos por Lisboa Paula Marques (eleita pela coligação PS/Livre) e subscrita pela eleita do Bloco de Esquerda, Beatriz Gomes Dias, foi aprovada esta tarde durante uma reunião privada do executivo, presidido por Carlos Moedas (PSD).

Apresentada em fevereiro, esta proposta visa assegurar a continuidade do apoio ao projeto piloto de unidade fixa de consumo vigiado de drogas no Vale de Alcântara, que estava previsto terminar em março, mas que desta forma se manterá em funcionamento, pelo menos, durante este ano.

Ainda que garanta a continuidade deste projeto, a proposta aprovada prevê também o início do processo de avaliação à sua execução, pela associação de recuperação de toxicodependentes, ouvindo-se entre outras entidades, a população residente no bairro Quinta do Loureiro, os utentes do serviço prestado e a Junta de Freguesia de Alcântara.

Paralelamente, existe também a intenção de alargar este projeto para outras zonas da cidade de Lisboa, "onde o processo se encontra mais avançado, em articulação com o Governo".

Na apresentação deste projeto em fevereiro, a vereadora dos Direitos Humanos e Sociais, Laurinda Alves (independente eleita pela coligação PSD/CDS-PP/MPT/PPM/Aliança), indicou que o projeto piloto tinha sido pensado para 200 utentes, mas que naquele momento já tinha quase 1.100.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+