Tempo
|
A+ / A-

Guerra na Ucrânia

Siza Vieira. “O abastecimento de bens ao país está assegurado”

14 mar, 2022 - 18:35 • Redação

Siza Vieira anunciou esta segunda-feira o primeiro conjunto de apoios governamentais preparados no âmbito do conflito na Ucrânia. Será criada uma linha de crédito com garantia pública que será gerida pelo Banco Português de Fomento, com dotação de 400 milhões de euros.

A+ / A-

Portugal era dependente da Ucrânia no milho para rações e sementes de girassol, mas o Governo fez um esforço, nas últimas semanas, para diversificar as fontes de abastecimento, por isso não há motivo para alarme. “O abastecimento de bens está assegurado”, garantiu o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, esta segunda-feira.

O governante pediu também aos portugueses que não acorressem aos supermercados, com receio de algum tipo de escassez de bens. De momento, “não há faltas agora” de produtos “nem se prevê que venha a ocorrer nos próximos meses”. “Não vale a pena ir a correr ao supermercado, esgotar papel higiénico e óleo de girassol”, disse ainda.

Em conjunto com a ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, Siza Vieira anunciou hoje o primeiro conjunto de apoios governamentais preparados no âmbito do conflito na Ucrânia. O mais significativo será uma linha de crédito com garantia pública que será gerida pelo Banco Português de Fomento, com dotação de 400 milhões de euros.

A linha de crédito, destinada às empresas mais afetadas que operam nos setores da indústria transformadora e dos transportes, terá um nível de cobertura de 70% do montante financiado e ficará disponível a 17 de março.

Poderão aceder a este apoio, empresas com peso igual ou superior a 20% de custos energéticos nos custos de produção; com aumento do custo de mercadorias vendidas e consumidas superior a 20%; ou com quebra de faturação operacional igual a 15% quando resulte da redução de encomendas devido à escassez ou dificuldade de obtenção de matérias-primas, componentes, ou bens intermédios.

Siza Vieira revelou também um desconto nos combustíveis para os operadores de TVDE e transportes de mercadorias por conta de outrem: 30 centímos por litro.

Nova prestação social para famílias carenciadas

O Governo antecipa que o aumento de preços vá afetar em particular as famílias mais carenciadas. Nesse sentido, o ministro da Economia anunciou que o Governo está a “estudar um mecanismo de apoio para famílias mais vulneráveis” que as compense pelo aumento dos preços dos bens alimentares.

“Iremos monitorizar o que vai ser o impacto da situação sobre o cabaz de compras de bens essenciais” e em função disso definir o valor da prestação social, revelou.

Este apoio poderá chegar a um universo potencial de 1.4 milhões de pessoas, o mesmo que tem acesso à tarifa social de energia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+