Tempo
|
A+ / A-

Professores, diretores de escolas e encarregados de educação reclamam autonomia

05 mar, 2022 - 20:54 • Henrique Cunha

No encerramento da 10ª Convenção nacional FNE (Federação Nacional de Educação), CONFAP (Confederação das Associações de Pais) e ANDAEP (Associação Nacional de Diretores de Agrupamentos e Escolas Públicas) dedicada ao tema "À procura da Escola que desconhecemos", ouviu-se essa exigência.

A+ / A-

Filinto Lima, Presidente da Associação de Diretores de Agrupamentos pediu recursos e autonomia ao Ministério da Educação, lembrando que são importantes também para o acolhimento de alunos ucranianos, no encerramento da 10ª Convenção nacional, dedicada ao tema "À procura da Escola que desconhecemos",.

O responsável quer que “o futuro Ministério da Educação e também o atual dê autonomia às escolas, dê recursos às escolas”, pois “nós diretores e professores saberemos dar o nosso melhor aos nossos alunos e também aos alunos ucranianos”.

Também João Dias da Silva, Presidente da FNE exigiu autonomia e liberdade para as escolas.

O sindicalista entende que “a autonomia, e a liberdade são essenciais para que a qualidade do trabalho que se desenvolve nas escolas possa ser feito”. “Esta autonomia é uma autonomia que reconhece a autonomia das escolas, que reconhece a autonomia dos profissionais, que têm um saber específico da docência”, sublinhou.

Por sua vez, Jorge Ascensão, Presidente da CONFAP diz que não se pode estar à espera do Ministério da Educação para que a descentralização avance. “Nós vamos ter a descentralização, mas ela vai depender muito de cada um de nós”, alertou.

Para Ascensão “não podemos estar à espera de uma qualquer reforma, e eu disse isso já há muitos anos, se estivermos à espera do Ministério da Educação nada de diferente vai acontecer”. “Estou perfeitamente convicto da experiência que adquiri ao longo destes últimos 20 anos, que de facto acontece se nós quisermos”, reforçou.

Na opinião de Jorge Ascensão o acesso ao ensino superior “não é equitativo”.

Por outro lado, o Presidente da CONFAP sugeriu que a pandemia e a situação na Ucrânia ajudam “a relativizar muita coisa”, lembrando uma conversa mantida com “alguém que também participou num projeto europeu e alguém ali da europa de leste dizia-me: vocês acordam de manhã preocupados se vai haver aula, se vai haver greve. Nós acordamos preocupados se a escola que contruímos hoje amanhã ainda vai estar de pé”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ex-Professor
    06 mar, 2022 5 de out 14:05
    Isto é palha. Comecem por revogar o edifício legislativo que essa ... dessa ... Lurdes Rodrigues deixou para trás antes de sair - principalmente o poder discricionário dado aos Diretores e aos esquemas fraudulentos das ADD/SAAD nas avaliações - e tudo começará a correr melhor.

Destaques V+