A+ / A-

PSP. Arranca nova distribuição das pulseiras que ajudam a sinalizar crianças

03 mar, 2022 - 07:14 • Lusa

As pulseiras, destinadas a crianças com idades entre os 2 e os 10 anos, são válidas em todo o país e podem ser solicitadas tanto para crianças residentes em Portugal como não residentes.

A+ / A-

A PSP lançar a edição de 2022 do programa "Estou Aqui!", uma iniciativa que consiste na distribuição de pulseiras gratuitas que facilitam a sinalização de crianças desaparecidas entre os 2 e os 10 anos.

Segundo a Polícia de Segurança Pública, a validade das pulseiras da edição 2020/2021 tem sido sucessivamente prolongada devido à pandemia.

A PSP indica que as pulseiras anteriores a 31 de dezembro de 2021 deixaram de estar válidas e têm de ser renovadas no site do programa.

Criado em 2012, o programa "Estou Aqui! Crianças" permitiu a distribuição de mais de 400.000 pulseiras, 33.000 das quais durante o ano de 2021.

A PSP refere que este programa tem como principal objetivo "agilizar o trabalho de sinalização de uma criança desaparecida e promover o seu rápido retorno à família".

"Caso a criança portadora da pulseira se perca, qualquer adulto que a encontre somente necessita contactar a PSP por intermédio do número de emergência nacional (112) e comunicar onde se encontra e qual o código da pulseira que a criança tem consigo. A Polícia de Segurança Pública tratará de informar a família e assegurar de imediato o reencontro familiar", explica esta força de segurança, em comunicado.

A PSP sublinha que as pulseiras, destinadas a crianças com idades entre os 2 e os 10 anos, possuem um código alfanumérico, único, sem qualquer relação com dados pessoais.

As pulseiras são válidas em todo o país e podem ser solicitadas tanto para crianças residentes em Portugal como não residentes, nomeadamente em férias.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+