Tempo
|
A+ / A-

Ucrânia. Embaixada pede a cidadãos russos que denunciem ameaças às autoridades portuguesas

28 fev, 2022 - 23:19 • Lusa

A embaixada da Rússia instou nesta segunda-feira os seus cidadãos em Portugal a contactarem as autoridades portuguesas e o serviço consular em caso de ameaças à sua segurança, na sequência da invasão das forças russas à Ucrânia.

A+ / A-

"Em caso de ameaças à sua segurança, deve contactar imediatamente as autoridades portuguesas (...), bem como informar o serviço consular da embaixada sobre o incidente através do número de emergência, cujos funcionários prestarão assistência no âmbito da sua competência", pode ler-se numa nota publicada no "site" oficial da Embaixada da Rússia em Portugal.

Numa mensagem em que incentiva à denúncia de casos de "provocações, ameaças e preconceitos" mas também para que os cidadãos russos em Portugal "não cedam a provocações", a embaixada lembrou que "no território de um estado estrangeiro" estes estão "na jurisdição do país anfitrião".

A Rússia lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já mataram mais de 350 civis, incluindo crianças, segundo Kiev. A ONU deu conta de mais de 100 mil deslocados e quase 500 mil refugiados na Polónia, Hungria, Moldova e Roménia.

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a "operação militar especial" na Ucrânia visa desmilitarizar o país vizinho e que era a única maneira de a Rússia se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário.

Na nota, a embaixada da Rússia em Portugal aponta que está em andamento uma operação especial para proteger a vida dos habitantes das autoproclamadas repúblicas populares de Donetsk e Lugansk, reconhecidas por Moscovo.

E denuncia "uma pressão sem precedentes" que está a ser "exercida sobre os cidadãos de língua russa".

"Essas ações inaceitáveis são registadas tanto por nacionalistas radicais ucranianos, que se infiltraram com sucesso nas fileiras dos manifestantes pela paz, quanto por cidadãos locais que são vítimas da guerra de informação que está a ser travada contra a Rússia devido à sua incapacidade de isolar falsificações óbvias de fluxo de informações destinadas a desacreditar os militares russos", destacou.

"Agora, mais do que nunca, é importante a coesão da nossa diáspora, a consolidação de esforços no sentido de defender os nossos legítimos direitos e interesses", acrescenta.

O ataque está a ser condenado pela generalidade da comunidade internacional e a União Europeia e os Estados Unidos, entre outros, responderam com o envio de armas e munições para a Ucrânia e o reforço de sanções para isolar ainda mais Moscovo.

Em Portugal, têm-se multiplicado as manifestações contra a invasão da Rússia à Ucrânia, com eventos em várias localidades do país, incluindo em frente à embaixada da Rússia, em Lisboa, ou junto ao consulado russo no Porto.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+