Tempo
|
A+ / A-

Ricardo Salgado alega não estar "em condições de prestar declarações" em tribunal

08 fev, 2022 - 10:18 • João Cunha com redação

Ministério Público pede uma pena de prisão não inferior a dez anos para o antigo banqueiro. A defesa pede a absolvição, dado a condição de saúde de Salgado e criticou a acusação.

A+ / A-

O ex-presidente do Grupo Espírito Santo, de 77 anos, disse esta terça-feira em tribunal não estar "em condições de prestar declarações", visto que lhe foi "atribuída uma doença de Alzheimer" . Ricardo Salgado responde assim quando questionado se pretende ajudar o tribunal a tomar conhecimento dos factos.

As alegações finais do julgamento no processo extraído da Operação Marquês decorrem no Campus de Justiça. Até hoje, o antigo banqueiro nunca tinha estado presente nas oito sessões, face à permissão da lei em relação ao contexto da pandemia.

Entrou pela garagem, fugindo assim aos jornalistas e a alguns elementos dos lesados do BES, que se concentraram à entrada do edifício.

Foi uma manhã em que o Ministério Público (MP) disse haver prova dos três crimes de que o ex-banqueiro é acusado, pedindo uma pena de prisão de prisão não inferior a 10 anos.

O procurador Vítor Pinto considerou que o ex-banqueiro tinha uma "especial obrigação" de não cometer os três crimes de abuso de confiança de que foi acusado, realçando ainda a "motivação manifestamente egoísta, dada a sua situação económica", a "persistência criminosa" e a "ausência de arrependimento" do arguido.

"Entendemos que a pena concreta a aplicar a cada um dos crimes não deve ser inferior a seis anos de prisão. Tendo em conta as regras do cúmulo jurídico, a pena aplicável não deve ser inferior a 10 anos de prisão", afirmou.

O MP apresenta factos e avança com a prova de uma transferência de quatro milhões, mas a defesa alega ser um empréstimo. A acusação refuta e diz existirem emails recolhidos nas buscas efetuadas que provam o contrário.

Defesa pede absolvição

A defesa pediu a absolvição do antigo presidente do BES no processo separado da Operação Marquês e criticou a pensa pedida pelo Ministério Público.

"Em face da prova documental e da prova testemunhal, não temos dúvidas de que se forem aplicadas as regras do processo penal democrático, o julgamento só pode terminar com a absolvição do doutor Ricardo Salgado", afirmou o advogado Francisco Proença de Carvalho, durante as alegações finais.

O mandatário lembrou o diagnóstico de doença de Alzheimer atribuída ao ex-banqueiro. "Ao pedir a prisão efetiva de uma pessoa com a patologia comprovada do doutor Ricardo Salgado, [o MP] pede algo que vai contra a decência e o humanismo", disse, acrescentando: "O MP fingiu que não sabe da condição do doutor Ricardo Salgado, desconsiderando tudo o que está na jurisprudência e no humanismo do Estado de Direito português".

Considerando que a pronúncia do MP neste processo era "manifestamente coxa" e que decorria da separação do processo Operação Marquês, que descreveu como um "autêntico fiasco", Francisco Proença de Carvalho pediu ao coletivo de juízes para resistir à pressão mediática e absolver Ricardo Salgado, face à prova documental e testemunhal apresentada.

Sem marcar presença nas sessões deste julgamento, Salgado viu ainda os seus advogados apresentarem em outubro um atestado médico de que sofre de doença de Alzheimer, visando assim a suspensão do julgamento, mas essa pretensão foi recusada pelo tribunal.

À saída da sessão de 6 de janeiro, o advogado do ex-banqueiro, Francisco Proença de Carvalho, explicou aos jornalistas que Salgado “cumprirá sempre aquilo que a lei disser e o que o tribunal disser”, mas sublinhou a proteção do arguido face ao seu atual estado de saúde.

Durante a última sessão do julgamento, o Ministério Público comunicou algumas alterações não substanciais da pronúncia, como a correção de determinadas datas e certos valores em alguns artigos, com o tribunal a conceder 10 dias aos advogados de defesa de Ricardo Salgado para se pronunciarem sobre essa matéria.

Ricardo Salgado responde neste julgamento por três crimes de abuso de confiança, devido a transferências de mais de 10 milhões de euros no âmbito da Operação Marquês, do qual este processo foi separado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José J C Cruz Pinto
    08 fev, 2022 ILHAVO 18:28
    Então não estava em condições de prestar declarações porque estava e está com Alzheimer, mas estava e está em condições de declarar que está com Alzheimer! Mas agora os doentes de Alzheimer já são capazes de fazer e justificar o diagnóstico? Mas que progresso! Bom, mas então deve também saber e lembrar-se perfeitamente de onde gastou e/ou onde escondeu o dinheiro - nomes, endereços e números das contas, e nomes de outros beneficiários. Não precisa de saber tudo decor; bastará lembrar-se de onde estão os papéis lá de casa, agenda, etc. E, mesmo que já não se lembre, por que não pergunta à mulher? Também tem Alzheimer?
  • Joaquim Correto
    08 fev, 2022 Paços 11:57
    O MP pede 10 anos de prisão? Este gajo merecia prisão perpétua, isso sim! A quantidade de pessoas a quem desgraçou a vida...

Destaques V+