Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. Portugal alivia restrições para viajantes

07 fev, 2022 - 05:15 • Lusa

Passageiros que entrem no país com o certificado de vacinação não precisam de apresentar teste negativo. Já os testes rápidos de antigénio passam a ter uma validade de apenas 24 horas.

A+ / A-

Veja também:


A partir desta segunda-feira deixa de existir a obrigatoriedade de apresentar teste negativo ao vírus SARS-CoV-2 para entrar em Portugal, bastando a apresentação de um certificado digital Covid-19 ou um comprovativo de vacinação reconhecido.

Com a decisão tomada em Conselho de Ministros, na passada quinta-feira e publicada no domingo, termina a medida que estava em vigor desde 1 de dezembro do ano passado e que impunha a todos os passageiros que chegassem a Portugal por via aérea a apresentação de um teste negativo ou de um certificado de recuperação.

O que muda?

Agora, para entrar no país, "passa a ser exigida apenas a apresentação do Certificado Digital da União Europeia nas suas três modalidades ou de outro comprovativo de vacinação devidamente reconhecido", segundo o gabinete da ministra da Presidência.

Também foram aprovadas alterações relativas ao certificado digital e ajustamentos aos comprovativos de vacinação a apresentar para acesso a determinados estabelecimentos.

Assim, o certificado digital passa a exigir que os testes rápidos de antigénio sejam efetuados nas 24 horas anteriores, em vez do prazo de 48 horas, e no caso de um teste molecular de amplificação de ácidos nucleicos (TAAN), o prazo é de 72 horas.

Em relação à vacinação, o certificado digital passa a atestar a conclusão da série de vacinação primária há mais de 14 dias e menos 270 dias desde a última dose, com uma vacina, ou a dose de reforço.

Já as regras em relação ao certificado de recuperação mantêm-se inalteradas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+