Tempo
|
A+ / A-

Portalegre

Hospital abre inquérito a morte de bebé por alegada falta de socorro médico

28 jan, 2022 - 12:08 • Lusa

Diretora clínica da Unidade de Saúde do Norte Alentejano confirma que a Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) esteve sem médico durante mais de seis horas.

A+ / A-

A Unidade de Saúde do Norte Alentejano (ULSNA) vai instaurar um inquérito para apurar as circunstâncias da morte no hospital de Portalegre de um bebé de oito dias, por alegada falta de socorro médico.

Vera Escoto, diretora clínica do Hospital de Portalegre, disse aos jornalistas que a Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) esteve sem médico durante mais de seis horas

"Houve um período entre as 9h00 e as 15h40 em que não houve médico, apesar dos esforços para colmatar essa situação", declarou.

Anteriormente, a porta-voz da ULSNA, Ilídio Pinto Cardoso, disse à agência Lusa que a administração daquela unidade hospitalar vai avançar com o inquérito e tomar uma posição sobre este caso "mais tarde".

A administração do Hospital de Portalegre esteve reunida esta sexta-feira manhã, com caráter de urgência, para analisar esta situação.

A revista Sábado noticiou a morte de um bebé de oito dias, na quinta-feira, no hospital de Portalegre, "por falta de socorro médico".

Segundo a notícia da revista, "o socorro foi pedido pelo pai da criança e os bombeiros foram acionados às 09h33", depois de o Centro de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) ter dito que a Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) "do hospital de Portalegre não estava operacional".

"É evidente que o apoio médico teria decidido a situação"

A publicação apurou ainda, junto de fontes do CODU, que a VMER "a viatura médica de emergência não estava disponível às 20h00 desta quinta-feira por falta de médico para a tripular".

A informação foi "confirmada pelo comandante dos Bombeiros Voluntários de Portalegre", Pedro Bezerra, que afirmou que, num caso como este, "é evidente que o apoio médico teria decidido a situação".

"Os meus homens fizeram manobras de reanimação cardiorrespiratória no local e até chegar ao hospital, mas não foram suficientes", acrescentou o comandante.

A revista sublinhou ainda que as circunstâncias da morte "ainda são desconhecidas" e que, no pedido de socorro, os bombeiros "foram apenas informados" de que o bebé "estava mal".

O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), que aciona a VMER, está a apurar o sucedido, avançou também a Sábado.

A Lusa contactou hoje o INEM, mas está a aguardar ainda esclarecimentos sobre esta situação.

Ordem exige investigação "até às últimas consequências"

A Ordem dos Médicos (OM) defendeu hoje que a morte do recém-nascido no hospital de Portalegre, por “alegada falha” no socorro, deve ser “rapidamente investigada e esclarecida”, por configurar “uma situação muito grave”.

“A morte deste bebé tem de ser investigada até às últimas consequências para que todas as possíveis falhas sejam rapidamente corrigidas e a confiança da população na resposta de emergência seja restabelecida”, disse o bastonário da OM, Miguel Guimarães, em comunicado.

A Ordem dos Médicos alude às “informações vindas a público sobre a morte de um recém-nascido que acabou por ser transportado para o hospital de Portalegre pelos bombeiros sem ter sido assistido” pela VMER do Instituto Nacional de Emergência Médica.

Esta situação, caso se tenha verificado, configura “uma situação muito grave e que deve ser rapidamente investigada e esclarecida”, pode ler-se no comunicado.

[notícia atualizada às 13h06]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    28 jan, 2022 évora 13:41
    Andam ocupados com meia dúzia de fanáticos dos petiscos e festas porta a porta que andam a contrair a COVID para depois faltarem aos empregos com baixas médicas , que esquecem que o humano tem mais doenças e muito mais mortais que esta gripezinha que veio interessar a mercenários da saúde e dos políticos que esfregam as mãos de contentes com os fundos a vierem parar-lhes aos sacos azuis e paraísos fiscais . Acabem com esta propaganda da banha da cobra imediatamente e protejam as pessoas que tem dignidade tanto ou mais que essas gripezinhas de origem provocada e propositada para fins específicos .

Destaques V+