A+ / A-

Braga reclama mais investimento na futura Capital Europeia da Cultura

18 jan, 2022 - 16:13 • Isabel Pacheco

A organização da candidatura de Braga ao evento europeu de 2027 pede maior compromisso no Orçamento do Estado, à semelhança do que aconteceu em Lisboa, Porto e Guimarães.

A+ / A-

O autarca de Braga reivindica mais apoio do Estado na organização da Capital Europeia da Cultura (CEC) que acontece em Portugal 2027. O financiamento prometido de 25 milhões, através de fundos comunitários, “não é o suficiente”, diz Ricardo Rio que pede que o valor seja revisto.

“Há o envelope prometido de 25 milhões, mas noutras Capitais o investimento do Orçamento do Estado foi muito maior do que está proposto para a CEC 2027. Achamos que, além desse montante que será financiado por fundos comunitários, tem que haver um compromisso do OE, não só da parte do ministério da cultura, mas, também, de outros áreas de governação”, defende Ricardo Rio.

O total dos 25 milhões de euros de apoio anunciados pelo Estado serão suportados através de candidaturas a Fundos Europeus. Uma situação que, segundo a coordenadora do projeto Braga'27, Cláudia Leite, torna a gestão do evento “incerta” e “mais complexa”.

“Isto implica financiar e avançar com os projetos e só depois apresentar despesa para ser recuperada. Isso faz toda a diferença”, explica a responsável que, também, assumiu a direção financeira de Guimarães 2012.

Caso Braga consiga o título europeu dentro de cinco anos prevê reunir um total de 42 milhões de euros para a execução do programa cultural, incluindo os 25 milhões através de fundos europeus .

Braga é uma das 12 cidades portugueses candidatas acolher a Capital Europeia da Cultura em 2027. A cidade vencedora é conhecida no início do próximo ano.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+