Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. Quase 90% dos internados em cuidados intensivos não estão vacinados

03 jan, 2022 - 14:37 • Lusa

"Este é o melhor indicador para fazer este apelo à vacinação", afirma o secretário de Estado Lacerda Sales.

A+ / A-

Veja também:


O secretário de Estado Adjunto e da Saúde disse hoje que quase 90% dos internados com a doença da covid-19 em cuidados intensivos não receberam a vacina, tendo reforçado o apelo para que as pessoas se vacinem.

António Lacerda Sales indicou também que cerca de 60% dos internados nas enfermarias dos hospitais nacionais também não foram vacinados.

O governante falava aos jornalistas em Coimbra, à margem da cerimónia de receção aos médicos internos do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC).

"Este é o melhor indicador para fazer este apelo à vacinação", sustentou Lacerda Sales, comparando de seguida os números atuais com os de há um ano.

Atualmente contabilizam-se "menos de um terço nos internamentos convencionais, menos de um quarto em unidades de cuidados intensivos e, felizmente, menos de um quinto em termos de óbitos", enumerou.

O governante apelou também para a testagem, outra das formas de isolar e combater a pandemia e salientou a capacidade de testagem do país à covid-19, através das mais de 1.400 farmácias aderentes e 700 postos de laboratoriais de testagem.

Salientando que Portugal é o quarto país europeu com mais testes realizados, mais de 26 milhões até hoje, Lacerda Sales enfatizou que só na quinta-feira, dia 30 de dezembro, foram realizados mais de 400 mil testes.

"Temos capacidade de testagem, temos testes, muitas instituições a testar, pelo que queremos que as pessoas se testem, porque é muito importante para controlarmos esta crise sanitária", disse.

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde apelou ainda à população para não se dirigir aos hospitais e às urgências para realizarem testes covid-19, "porque tendo esta capacidade de testagem noutros locais poderão libertar o tempo aos profissionais de saúde para situações mais graves".

Lacerda Sales afirmou que as aulas presenciais vão recomeçar na próxima segunda-feira, 10 de janeiro.

O governante afasta a hipótese do adiamento dos alunos às escolas ser adiado devido ao aumento de casos de Covid-19.

"Penso que essa medida não está garantidamente sobre a mesa. E, portanto, as aulas começam no dia 10 de janeiro para as crianças, porque essa é uma medida fundamental para a saúde física, mental, social e psicológica das nossas crianças", afirmou Lacerda Sales.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    03 jan, 2022 évora 17:18
    Quando as crianças estão vacinadas e apanham Sarampo também as mandam para a Escola ? Ainda à pouco tempo diziam que estavam a morrer 70% com a vacina de reforço tomada . É melhor esclarecerem o povo ou estão a todo o custo a vender ao desbarato o que resta destas vacinas onde já existem outras séries para serem introduzidas no mercado , escoar produto a preços de Saldo ! Onde está escrito que os vacinados não apanham a Covid e a não transmitem ou se a transmitem seja em menor quantidade ou mais fraca a doença . Inúteis , acabaram por utilizarem as palavras do Trump e do Bolsonaro ... lançar todos aos bichos ! Como resiste Portugal com todos infetados mesmo vacinados ? Será que os bêbados que causam acidentes rodoviários também não tem direito a serem tratados nas urgências e o comentador anterior lhe paga dos impostos a saúde ? Comentários fascistas .
  • José J C Cruz Pinto
    03 jan, 2022 ÍLHAVO 16:56
    É no que terá dado a "liberdade idiota" de não querer ser vacinado, a menos que se prove que foi por insuficiência (?) do programa de vacinação. Deviam era ter de pagar integralmente o tratamento. A que título é que tenho eu de contribuir com os meus impostos?

Destaques V+