A+ / A-

Cruzeiro com 4 mil passageiros retido em Lisboa devido a surto de Covid-19

31 dez, 2021 - 19:05 • Marta Grosso

Autoridades confirmam cerca de cinco dezenas de infetados a bordo do “Aidanova”. Passageiros pretendiam passar o ano na Madeira para chegar depois a Lanzarote.

A+ / A-
Navio cruzeiro Aidanova retido em Lisboa. Fotos: Mário Cruz/Lusa (clique na seta para ver a fotogaleria)
Navio cruzeiro Aidanova retido em Lisboa. Fotos: Mário Cruz/Lusa (clique na seta para ver a fotogaleria)

Veja também:


Um cruzeiro está atracado desde quarta-feira no porto de Lisboa com um surto de Covid-19. A bordo do navio estão mais de 4 mil passageiros.

O paquete “Aidanova” partiu da Alemanha e tinha Lanzarote, nas Canárias, como destino. A passagem de ano deveria acontecer ao largo do Funchal.

Mas a pandemia trocou as voltas a estes turistas. A notícia é avançada nesta sexta-feira pela CNN, segundo a qual o “Aidanova” ficou retido no terminal de Santa Apolónia depois de vários membros da tripulação terem testado positivo à Covid-19.

À Renascença, o capitão Vieira Branco, do Comando Local de Lisboa, explica que o navio deu entrada no porto na quarta-feira, dia 29, “reportando 14 casos, todos de tripulantes”.

“Todos os elementos estão vacinados e assintomáticos ou com sintomas ligeiros” e “foram desembarcados para unidade hoteleira”, indica o capitão Vieira Branco.

Na quinta-feira, dia 30, “o navio reportou a existência de mais 38 casos positivos”, o perfaz um total de 52 infetados.

O navio viajava com 4 mil passageiros e deverá retomar viagem no dia 2 de janeiro, domingo.

“O navio tem previsto sair no dia 2 de janeiro pelas 18h00, em direção a Lanzarote”, indica o capitão Vieira Branco à Renascença.

Segundo fonte da Polícia Marítima citada pela CNN Portugal, o caso está a ser acompanhado pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

[Notícia atualizada às 23h45]



Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+