A+ / A-

Mais de três mil enfermeiros pediram à Ordem escusa de responsabilidade este ano

27 dez, 2021 - 19:02 • Lusa

A Ordem dos Enfermeiros entende que o aumento registado em dezembro é justificado pela "degradação dos serviços, que se acentuou nos últimos tempos, sobretudo devido à falta de enfermeiros".

A+ / A-

A Ordem dos Enfermeiros (OE) recebeu este ano mais de três mil pedidos de escusa de responsabilidade devido ao elevado número de doentes, a maioria dos quais durante o mês de dezembro.

Num balanço divulgado esta segunda-feira, a OE precisa que recebeu no total 3.013 pedidos de escusa de responsabilidade, sendo que o número mais que duplicou no último mês do ano, uma vez que até novembro tinham sido contabilizados cerca de 1.300 pedidos.

A declaração de escusa de responsabilidade foi disponibilizada em janeiro para acautelar a eventual responsabilidade disciplinar, civil ou criminal dos enfermeiros face ao número de doentes a seu cargo, numa altura em que os hospitais enfrentavam uma elevada pressão devido ao agravamento da pandemia da covid-19.

"Os enfermeiros, ao assinarem esta declaração, reiteram que o número de enfermeiros adequado é fundamental para salvaguardar o exercício profissional em segurança, o que manifestamente não se verifica atualmente", explica a OE em comunicado.

A Ordem dos Enfermeiros entende que o aumento registado em dezembro é justificado pela "degradação dos serviços, que se acentuou nos últimos tempos, sobretudo devido à falta de enfermeiros".

Entre os pedidos recebidos este mês, a Ordem contabiliza novos pedidos de profissionais do Hospital de Leiria, que já ascendem a 1.590, e do serviço de Urgência pediátrica do Hospital de Vila Nova de Gaia.

Sublinhando que a mortalidade nos hospitais sobre 7% por cada doente a mais a cargo de um enfermeiro, a OE responsabiliza a "má gestão ou ausência de estratégia" do executivo pela situação atual e alerta para as dificuldades em responder às necessidades.

"Os enfermeiros não se encontram em condições de garantir a prestação de cuidados em segurança e com qualidade, nem a vida das pessoas. E é da vida das pessoas que estamos a falar", afirma a bastonária, citada no comunicado.

Alertando que, "apesar de todas as horas que já fazem a mais, os enfermeiros não conseguem chegar a todos", Ana Rita Cavaco antecipa ainda que o número de declarações continue a aumentar.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+