Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

30 mil pedidos de agendamento para vacinação de crianças é "um bom indicador"

14 dez, 2021 - 21:56 • Lusa

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde disse ainda esperar que “até ao próximo sábado” muitos mais pais agendem a vacinação dos seus filhos.

A+ / A-

O secretário de Estado Adjunto e da Saúde considerou, esta terça-feira, “um bom indicador” haver “em poucas horas” já cerca de 30 mil crianças com 10 e 11 anos autoagendadas para a vacinação contra a covid-19.

“Nestas poucas horas, parece um bom indicador para aquilo que todos garantidamente queremos que é a adesão dos pais destas crianças dos cinco aos 11 à vacinação”, afirmou António Lacerda Sales à margem da cerimónia da tomada de posse do primeiro bastonário da Ordem dos Fisioterapeutas, António Lopes.

O governante recordou “os três grandes objetivos” da vacinação nesta faixa etária: “proteger em primeiro lugar as crianças, proteger também a normalização da sua vida, nomeadamente na escola, e também proteger a vida em sociedade”.

António Lacerda Sales disse ainda esperar que “até ao próximo sábado” muitos mais pais agendem a vacinação dos seus filhos.

O agendamento da vacinação contra a covid-19 de crianças com 10 e 11 anos, que vai decorrer nos dias 18 e 19 de dezembro, está disponível desde as 20h00 de segunda-feira, no Portal de Agendamento Online, que permite marcação da vacinação para o local e a data mais convenientes.

De acordo com o calendário apresentado pelo Governo para a vacinação de crianças, de 06 a 09 de janeiro serão vacinadas as que têm entre nove e sete, ficando reservados os dias 15 e 16 para vacinar o grupo dos seis e sete anos, enquanto em 22 e 23 serão vacinadas as crianças de cinco anos.

Entre 05 de fevereiro e 13 de março serão administradas as segundas doses, altura em que ficará o esquema vacinal completo para esta faixa etária, que o Governo calcula em mais de 600 mil crianças.

As crianças com comorbilidades têm prioridade, independentemente da idade, desde que tenham prescrição médica, bastando dirigir-se aos centros para receberem a vacina contra o coronavírus SARS-CoV-2.

A decisão de vacinar a faixa etária dos cinco aos 11 anos continua a dividir as opiniões médicas e científicas, incluindo em Portugal.

A generalidade dos países tem optado por não vacinar as crianças antes dos doze anos, mas, à medida que o número de infeções aumenta e sobretudo depois de ter sido detetada a variante Ómicron, tem crescido o número dos Estados que estão a alargar os planos de vacinação a esta faixa etária.

Em Portugal, a decisão de vacinar foi comunicada pela Direção-Geral da Saúde em 07 de dezembro, depois de ouvida a Comissão Técnica de Vacinação e ponderadas as questões de natureza logística com o núcleo de coordenação de apoio ao Ministério da Saúde, nomeadamente a disponibilidade de vacinas da Pfizer, na versão pediátrica.

Na segunda-feira, chegaram a Portugal cerca de 300 mil doses de vacinas pediátricas contra a doença covid-19.

Segundo o relatório diário da DGS, estão agora com a vacinação completa contra o coronavírus SARS-CoV-2 mais de 8,6 milhões de pessoas, enquanto 2,1 milhões já receberam a dose de reforço que está a ser administrada a pessoas com 65 ou mais anos.

A covid-19 já matou em Portugal, desde março de 2020, 18.687 pessoas e foram contabilizados 1.200.193 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+