Tempo
|
A+ / A-

Portugal recebeu 764 refugiados do Afeganistão desde início da crise humanitária

13 dez, 2021 - 20:23 • Lusa

O Governo português refere que, desde o início desta crise humanitária, "se tem demonstrado fortemente empenhado em acolher cidadãos afegãos em situações de particular fragilidade e risco, dentro dos limites da capacidade nacional".

A+ / A-

Portugal recebeu até esta segunda-feira 764 refugiados oriundos do Afeganistão desde a crise de emergência humanitária naquele país, em agosto, segundo dados do Governo português.

Um comunicado conjunto dos gabinetes dos ministros de Estado e dos Negócios Estrangeiros, de Estado e da Presidência, da Defesa Nacional e da Administração Interna refere que Portugal recebeu hoje um grupo de 273 pessoas de nacionalidade afegã, entre as quais membros do Instituto Nacional de Música do Afeganistão, elevando para 764 o total de cidadãos recebidos na sequência da emergência humanitária no Afeganistão.

O Governo português refere que, desde o início desta crise humanitária, "se tem demonstrado fortemente empenhado em acolher cidadãos afegãos em situações de particular fragilidade e risco, dentro dos limites da capacidade nacional".

De acordo com o executivo, os cidadãos acolhidos correspondem às prioridades definidas, designadamente cidadãos portugueses, afegãos que colaboraram com as forças nacionais destacadas, afegãos que colaboraram com a União Europeia, com a NATO e com as Nações Unidas e pessoas em situação particularmente vulnerável como ativistas de direitos humanos, funcionários da administração afegã, jornalistas, músicos, mulheres desportistas, juristas e engenheiras.

O comunicado refere ainda que a chegada deste grupo resulta de uma operação conjunta que envolveu as autoridades portuguesas e do Qatar, assim como organizações norte-americanas, tendo os 273 cidadãos sido acolhidos provisoriamente em unidades de acolhimento da Grande Lisboa, devendo ser transferidos, posteriormente, para habitações autónomas. .

O conflito e a insegurança no Afeganistão forçaram a saída de 3,5 milhões de pessoas, 700.000 delas no ano passado, num processo agravado pela tomada de poder pelos talibãs, em agosto deste ano.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+