Tempo
|
A+ / A-

Lojas do Cidadão abertas na "semana de contenção" de janeiro

03 dez, 2021 - 11:53 • Fátima Casanova

Os serviços públicos vão permanecer de portas abertas entre 2 e 9 janeiro, altura em que o teletrabalho vai ser obrigatório no país.

A+ / A-

Os serviços de atendimento ao público não sofrem alterações durante o estado de calamidade, que teve início a 1 de dezembro.

Segundo fonte do gabinete da ministra da administração pública, os trabalhadores que estão no atendimento vão manter-se em trabalho presencial.

Em resposta à Renascença, foi dito que “não está previsto o encerramento das Lojas de Cidadão, nem a redução dos recursos humanos a ela adstritos para atendimento ao público, incluindo durante a chamada semana de contenção”.

Isto mesmo também confirmou à Renascença o secretário geral da Federação dos Sindicatos da Administração Pública.

José Abrão disse que “não há nenhuma decisão em reduzir os trabalhadores no atendimento” e que “com as devidas precauções, não haverá perturbações”.

O ministério de Alexandra Leitão destaca ainda que desde o dia 27 de novembro foram alargados os períodos de funcionamento e de atendimento em Lojas de Cidadão. Passam a estar abertas as 8 horas e as 20 horas nos dias úteis e entre as 8 horas e as 15 horas aos sábados, “para a realização de atendimentos face à pendência acumulada”.

Funcionários em teletrabalho sem meios. “Cada serviço faz como pode”

O líder da Federação dos Sindicatos da Administração Pública, José Abraão haver trabalhadores da função pública que ficam em teletrabalho “em muitos casos com falta de meios com falta de condições”.

Jose Abrão defende que “é preciso mais investimento em meios informáticos, para que se possa responder às necessidades dos cidadãos, e numa parte significativa dos serviços falta pessoal”.

O dirigente acrescentou que há “navegação à vista” e “cada serviço faz como pode”.

O secretário geral da Federação dos Sindicatos da Administração Pública lembrou ainda que se mantém a “exigência do pagamento das despesas acrescidas” com o teletrabalho. José Abrão disse os custos com o teletrabalho “é uma questão que ainda está por resolver”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+