A+ / A-

Hospital da Figueira da Foz tem 37 trabalhadores infetados com Covid-19

03 dez, 2021 - 18:39 • Lusa

Entre os infetados está um médico e dois enfermeiros. "Atividade hospitalar não está comprometida", garante fonte hospitalar.

A+ / A-

O Hospital Distrital da Figueira da Foz regista um surto de Covid-19 com 37 trabalhadores infetados, mas que não afeta a atividade assistencial, confirmou à agência Lusa fonte hospitalar.

"A atividade hospitalar não está comprometida. Em nada altera atividade regular do hospital, mantendo-se as consultas e as cirurgias", salientou fonte do gabinete de comunicação nesta sexta-feira.

Segundo a mesma fonte, o surto afeta maioritariamente os Serviços de Gestão e Logística, tendo condicionado uma das áreas de serviço, que, entretanto, foi assegurada por outros profissionais da mesma área.

Entre os 37 trabalhadores que testaram positivo, detetados esta semana em ações de rastreio após um primeiro caso de infeção, encontram-se um médico e dois enfermeiros, acrescentou.

A Covid-19 provocou pelo menos 5.233.111 mortes em todo o mundo, entre mais de 263,61 milhões infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 18.492 pessoas e foram contabilizados 1.157.352 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em vários países.

Uma nova variante, a Ómicron, classificada como "preocupante" pela Organização Mundial da Saúde (OMS), foi detetada na África Austral, mas desde que as autoridades sanitárias sul-africanas deram o alerta, a 24 de novembro, foram notificadas infeções em cerca de 30 países de todos os continentes, incluindo Portugal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+