Tempo
|
A+ / A-

Abusos sexuais na Igreja. Comissão independente apresenta conclusões no final de 2022

02 dez, 2021 - 08:16 • Fátima Casanova com redação

O coordenador Pedro Strecht apresenta, esta quinta-feira, todos os elementos que constituem esta comissão criada a pedido dos bispos.

A+ / A-

A comissão independente que vai estudar os abusos de menores na Igreja já definiu a meta: Até final do próximo ano vai apresentar um relatório com as conclusões

A informação foi avançada à Renascença pelo coordenador desta nova comissão.

“Delimitamos o ano de 2022 para o desenvolvimento de todo este trabalho com a apresentação de um relatório também em final do próximo ano”, confirmou o pedopsiquiatra Pedro Strecht, que mais logo vai apresentar os todos os elementos que constituem esta comissão criada a pedido dos bispos.

Nestas declarações avança ainda que vai ser criada “uma equipa multidisciplinar, com pessoas de várias áreas, que vai procurar fazer o estudo sobre o que se passou na questão dos abusos sexuais no seio da Igreja Católica”.

O número reduzido de casos de abuso sexual de crianças de que a Igreja Católica Portuguesa diz ter conhecimento coincide com a realidade conhecida pela Polícia Judiciária. Por isso, o diretor nacional adjunto da PJ diz não tem razões para acreditar que houve encobrimento por parte da hierarquia da Igreja.

Portugal segue assim o exemplo de outros países onde a Igreja formou comissões de especialistas independentes para apresentar uma análise detalhada da forma como a Igreja tem tratado desta questão. O caso mais recente foi em França, mas também já houve comissões independentes na Alemanha, na Irlanda e em vários estados norte-americanos.

A decisão de criar uma comissão independente tinha sido anunciada pelos bispos portugueses no final da sua última assembleia plenária, em Fátima, com vista a “fazer o estudo em ordem ao apuramento histórico” da questão dos abusos sexuais de menores cometidos por membros do clero em Portugal.

A Igreja irá ter também uma comissão nacional, uma espécie de grupo coordenador das comissões que em cada diocese foram criadas, com o objetivo de “reforçar e alargar o atendimento dos casos e o respetivo acompanhamento a nível civil e canónico, e fazer o estudo em ordem ao apuramento histórico desta grave questão“, como sublinhou na altura o comunicado final da Conferência Episcopal Portuguesa.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+