Tempo
|
A+ / A-

Médicos e dezenas de setubalenses juntos em defesa do Centro Hospitalar de Setúbal

23 out, 2021 - 20:25 • Lusa

Cerca de uma centena de pessoas manifestaram-se hoje junto ao Hospital de São Bernardo para exigirem a reclassificação do Centro Hospitalar de Setúbal (CHS), mais investimento e o reforço de meios humanos em especialidades médicas daquela unidade de saúde.

A+ / A-

Cerca de uma centena de pessoas manifestaram-se este sábado junto ao Hospital de São Bernardo para exigirem a reclassificação do Centro Hospitalar de Setúbal (CHS), mais investimento e o reforço de meios humanos em especialidades médicas daquela unidade de saúde.

O protesto, que se segue a uma concentração que juntou mais de 300 pessoas no passado dia 12 de outubro, foi convocado através das redes sociais por Alexandre Correia, um utente do CHS, e contou com a presença do diretor clínico demissionário, Nuno Fachada, e de outros médicos do CHS, que voltaram a alertar para a degradação progressiva daquela unidade de saúde, onde, sublinham, é cada vez mais evidente a falta de investimento e de recursos humanos.

"Temos falta de equipamentos, como uma ressonância magnética e outros. Mas há aqui dois pontos fundamentais, prometidos há vários anos e que se mantêm, já com compromissos não cumpridos pela tutela", disse à agência Lusa Luís Cortez, diretor do serviço de Cirurgia do CHS, que engloba os hospitais de São Bernardo e do Outão.

"Um desses aspetos fundamentais é a reclassificação, a subida de nível do Centro Hospitalar de Setúbal. Há um compromisso do Ministério da Saúde assumido há três anos, pelo menos, mas depois nas negociações, nos contactos com o Ministério das Finanças, tudo fica sem resposta. E isto tem um impacto enorme, porque tem a ver com o financiamento do hospital e representava um acréscimo -- se houvesse a subida de nível - de 11 milhões de euros" por ano, disse Luís Cortez.

O diretor de cirurgia do CHS salientou que "esses 11 milhões de euros permitiriam mais investimento do hospital, na aquisição dos equipamentos necessários para a prestação de cuidados de saúde às populações do litoral alentejano e dos concelhos de Palmela, Sesimbra e Setúbal".

Segundo Luís Cortez, outro aspeto fundamental é a ampliação do hospital, designadamente do serviço de urgência, que está "em discussão há quatro ou cinco anos".

"O projeto que nos foi apresentado previa a inclusão do Hospital do Outão no Hospital de São Bernardo, mas [na opinião dos médicos], o projeto não permite essa inclusão", disse.

"Quando se fala em ampliação, ela é necessária para o serviço de urgência, mas tem que se ver qual o tipo de projeto. Se é o projeto inicial, a situação vai piorar. Parecendo que vamos melhorar com a ampliação do hospital, corremos o risco de ficar pior", advertiu.

O diretor de cirurgia reiterou aquilo que tem sido uma das preocupações expressas por todos os médicos que se têm pronunciado sobre a degradação progressiva do CHS, e que também consideram o projeto de ampliação que lhes foi apresentado insuficiente para acolher o Hospital do Outão.

No mesmo sentido está também um manifesto dos médicos do centro hospitalar lido durante a concentração deste sábado, onde se salienta o facto de haver "cada vez menos médicos em várias especialidades" no CHS.

"Queremos trabalhar no SNS e não nos estão a deixar. Estamos com vocês, este alerta é por vocês e por todos nós, pessoas de Setúbal, de Sesimbra, de Palmela, Alcácer e todas as outras que nos procuram. Opomo-nos à perda de especialidades e competências. Batemo-nos para que o CHS seja reclassificado e promovido para um nível acima. Só assim poderemos aumentar o grau de diferenciação com especialidades necessárias, algumas ainda inexistentes. Só assim, o Hospital pode ser financiado pelo que faz e deixe de ser uma fonte de prejuízo, cada ano que passa", refere o manifesto dos médicos do CHS.

Carlos Biló, um dos cerca de 90 utentes do CHS que participaram na concentração, responsabiliza os governantes e os partidos que estão na Assembleia da República pelos "dinheiros que fogem para a corrupção, que faziam falta ao Serviço Nacional de Saúde".

"Os dinheiros que fogem para a corrupção, para as autoestradas -- que já estão pagas desde 2017 --, faziam falta ao SNS. Esse dinheiro, esses milhões de euros [que o país perde com a corrupção], dava para tapar muitas das reivindicações que se estão a fazer neste momento", disse Carlos Biló, que apelou ao envolvimento de todos os setubalenses na defesa do Centro Hospitalar de Setúbal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+