Tempo
|
A+ / A-

Greve na Transtejo vai afetar ligações entre 8 e 12 de novembro

21 out, 2021 - 15:19 • Ana Carrilho, com redação

A paralisação no serviço será de três horas por cada turno, apurou a Renascença.

A+ / A-

Os sindicatos vão convocar uma greve na Transtejo, que vai afetar ligações fluviais entre as duas margens dos Tejo, entre 8 a 12 de novembro.

A paralisação no serviço será de três horas por cada turno, disse à Renascença Paulo Lopes, dirigente da Federação de Sindicatos dos Trabalhadores dos Transportes (Fectrans).

“Todos os sindicatos envolvidos na Transtejo vão apresenta pré-avisos de greve para dia 8, 9, 10 e 11. No dia 12, todos os sindicatos, ao mesmo tempo, apresentam um pré-aviso de greve conjunto, sendo que todas as greves são de três horas por cada turno. É uma semana de algumas dificuldades.”

A greve na Transtejo vai afetar as ligações entre Cais do Sodré-Cacilhas, Cais do Sodré-Seixal, Cais do Sodré-Montijo e Belém-Trafaria.

A convocação da paralisação acontece numa altura em que várias carreiras da Transtejo têm sido suprimidas devido à falta de recursos humanos.

Esta semana, a empresa que liga as duas margens do Tejo por barco anunciou a suspensão das carreiras da noite, na quarta e esta quinta-feira, entre o Cais do Sodré e Cacilhas, mas também de alguns ligações durante o período da tarde.

A listagem das supressões previstas pode ser consultada no site da Transtejo.

De acordo com os sindicatos, contactos pela Renascença, para que a Transtejo reponha a operação normal nas diversas carreiras, sem recurso a trabalho extraordinário, seria necessário contratar pelo menos mais 30 trabalhadores marítimos.

O ministro do Ambiente, Matos Fernandes, disse, na quarta-feira, que a atitude da Transtejo é inaceitável, mas o sindicalista Paulo Lopes remete as culpas para o próprio governante.

“É inaceitável da parte do senhor ministro dizer o que disse, porque ele sabe o que se passa na Transtejo há muitos anos. Desde 2016, que ele sabe que a Transtejo tem um défice de trabalhadores e que tinha de preparar a admissão de trabalhadores”, afirma o dirigente da Fectrans.

Paulo Lopes diz que os trabalhadores da Transtejo se fartaram de fazer trabalho extraordinário para assegurar as carreiras regulares.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+