Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. Terceira dose da vacina “é essencial” para pessoas vulneráveis, diz OMS

18 out, 2021 - 17:57 • Lusa

Responsável da organização para a Europa acredita num “bom resultado”, mas diz que, para o resto da população “não temos evidência”. Hans P. Klüge elogia ainda Portugal por “fazer um ótimo trabalho”.

A+ / A-

Veja também:


Uma terceira dose da vacina contra a Covid-19 “é essencial para garantir proteção aos mais vulneráveis”, como pessoas idosas ou com imunidades mais baixas, realçou nesta segunda-feira, em Lisboa, o diretor da Organização Mundial da Saúde para a Europa.

“Não temos evidência para a generalizar na população”, sublinhou Hans P. Klüge, em declarações aos jornalistas, à margem de uma visita guiada à Unidade de Saúde Familiar (USF) da Baixa, na capital.

Em visita oficial a Portugal, hoje e terça-feira, o diretor regional para a Europa da Organização Mundial da Saúde (OMS) frisou ainda que administrar a terceira dose em alguns “não pode ser vista como tirar algo” a outros.

“Temos de fazer tudo ao mesmo tempo: garantir que todos obtêm a primeira e a segunda doses e, entretanto, na região da Europa, dar a terceira dose às pessoas mais vulneráveis”, defendeu.

“Um bom exemplo”

O diretor regional da OMS congratulou o Governo português – e a ministra da Saúde, Marta Temido, em particular –, por ter conseguido uma “elevadíssima taxa de vacinação”.

Recordando que “em 35 dos 53 países” que integram a região Europa da OMS se está “a assistir a uma estabilização da vacinação”, Hans P. Klüge salientou: “Portugal, ao contrário, está a fazer um ótimo trabalho.”

Esse “bom resultado”, acredita, resulta de “um forte sistema de saúde primário e, claro, de uma forte liderança política”.

Acompanhado pelo subdiretor-geral da Saúde, Rui Portugal, Hans P. Klüge teve direito a vista guiada do próprio diretor da USF da Baixa, Martino Gliozzi.

“Para mim, é muito importante ir e ver com os meus próprios olhos”, disse Hans P. Klüge salientou: “Portugal, ao contrário, está a fazer um ótimo trabalho, ele próprio médico geral e familiar.

“Portugal é um bom exemplo de cobertura universal” nos cuidados de saúde, destacou, enquanto ouvia que a USF da Baixa, em funcionamento desde agosto de 2015, tem 16 mil doentes inscritos, de 95 nacionalidades diferentes.

“Vimos que os países que tiveram melhor desempenho na resposta à Covid-19 são aqueles que, historicamente, investiram mais em cuidados de saúde primários e em saúde pública”, apontou.

O médico saudou ainda “a solidariedade de Portugal” com os outros países de língua portuguesa. “A solidariedade internacional é muito importante, não é aceitável que nalguns sítios do mundo haja médicos, enfermeiros e idosos que ainda não receberam a primeira dose”, reconheceu.

O diretor regional apelou também à “coerência política” entre os países da Europa, no sentido de se “sentarem à mesa” para chegar a um consenso sobre as regras a aplicar.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+