Tempo
|
A+ / A-

Saúde

Eurico Castro Alves. Crise no Hospital de Setúbal é sintoma de "doença sistémica" no SNS

08 out, 2021 - 00:34 • André Rodrigues

Presidente da Convenção Nacional da Saúde defende reforço no financiamento do Serviço Nacional de Saúde e uma maior aposta na complementaridade entre setor público e privado na prestação de cuidados. "O objetivo é tratar os portugueses, não é implementar ideologias", adverte Castro Alves.

A+ / A-

O presidente da Convenção Nacional de Saúde considera que a crise que se vive no Hospital de Setúbal é o sintoma de um problema mais grave na saúde em Portugal.

O alerta feito na Renascença por Eurico Castro Alves surgiu esta quinta-feira, depois de conhecidas as demissões de cerca de 90 médicos com funções de direção naquela unidade hospitalar.

“O caso de Setúbal é apenas um sinal de uma doença que se está a agravar em todo o país e o primeiro passo no sentido de responder a esta doença sistémica é o reforço do financiamento da saúde”, defende Castro Alves.

Questionado sobre o reforço de médicos anunciado, esta quinta-feira, pelo ministério da Saúde para Setúbal, Eurico Castro Alves reconhece que a resposta da tutela ao problema foi “reativa, mas não deixa de revelar uma vontade de acolher e de resolver os problemas”.

Para o presidente da CNS, que junta representantes de todo o setor assistencial, é necessário dar mais passos. O reforço do financiamento “é muito importante, mas, de facto, o problema não fica resolvido por aí”.

“É o tempo de se fazerem reformas estruturais no sistema de saúde e é, também, o tempo de se perderem complexos de tipo ideológico e poder contar mais com outros setores, nomeadamente o setor privado e o setor social, na participação dos serviços do SNS. Porque o objetivo é tratar os portugueses, não é implementar ideologias”, sublinha.

E prossegue com um desafio: “gostava que alguém mostrasse ao país quando custou a mais o facto de se terem abandonado as parcerias público-privadas na saúde”.

Pandemia exige esforço suplementar

Na posição da CNS sobre o Orçamento do Estado para 2022, é referido que, durante o combate à Covid-19, “o SNS concentrou uma parte muito substancial da sua capacidade para combater o novo coronavírus” com “uma forte afetação de meios, um nível extremo de cansaço dos profissionais de saúde e uma queda inédita da atividade assistencial”.

À Renascença, Eurico Castro Alves diz que a tradução mais evidente dessa circunstância é o atraso de milhares de consultas e exames de diagnóstico.

O exemplo mais preocupante é da oncologia, onde “estamos a viver verdadeiras tragédias pessoais de pessoas que não tiveram o seu diagnóstico a tempo de serem tratadas e curadas e, portanto, a doença é diagnosticada numa fase muito mais adiantada e que exige, agora, uma grande mobilização de recursos por parte do SNS”.

OE 2022. Ou 12 mil milhões, ou não é possível proteger a saúde dos portugueses

Na nota que divulgou esta quinta-feira, a Convenção Nacional da Saúde defende que o valor a inscrever para o Serviço Nacional de Saúde no Orçamento do Estado não deve ser inferior a 12 mil milhões de euros e avisa que repetir o subfinanciamento pode ser fatal.

“O Orçamento do Estado não pode ser um beco sem saída. A saúde dos portugueses tem de ser financiada à altura das circunstâncias que enfrentamos”, refere o comunicado.

Além de defender que a verba a inscrever para o SNS no Orçamento do Estado para 2022 não pode ser inferior a 12 mil milhões de euros, correspondendo a um aumento de 700 milhões face à verba prevista para este ano, a CNS apela à criação de uma Lei de Meios do SNS, “que permita orçamentação plurianual, previsibilidade e estabilidade financeira” do Serviço Nacional de Saúde.

Apela ainda ao Governo que crie um programa específico para a recuperação da atividade assistencial afetada pela pandemia de covid-19 e defende a “efetiva realização dos investimentos previstos no PRR [Plano de Recuperação e Resiliência], acautelando que essas verbas não sejam utilizadas para colmatar falhas do SNS que devem ser asseguradas diretamente pelo Orçamento do Estado”.

“O Ministério da Saúde tem de estar preparado para agir bem e depressa. O subfinanciamento do SNS, a repetir-se, seria potencialmente fatal”, alerta a CNS.

A CNS aponta, ainda, “o excesso de enfoque no meio hospitalar, nas questões de doença aguda e na produção, ao invés de uma abordagem de ‘ciclo de vida’, geração de valor e foco na pessoa”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Bruno
    08 out, 2021 Aqui 11:53
    Este ilustre senhor vem aqui defender a complementaridade entre o sector público e o privado quando é precisamente o sector privado que está a sugar recursos humanos do sector público. Todos os médicos foram formados no sector público e nenhum foi formado no privado. No entanto, é para lá que os médicos fogem. Este tipo de opinião disfarçada de notícia não me surpreende na Radio Renascença uma vez que se trata da emissora católica. É importante não esquecer os interesses na Igreja no negócio da saúde, através do chamado "sector social" que nada mais é do que um sector privado maquilhado atrás da fachada que são as Santas Casas da Misericórdias.

Destaques V+