Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Covid-19

Fim da máscara? Comerciantes ainda não sabem como vão fazer

29 set, 2021 - 09:13 • Fátima Casanova , Carla Fino , Cristina Branco

A partir de sexta-feira, deixa de ser obrigatório usar máscara em alguns espaços comerciais, mas as normas ainda não foram publicadas. A Renascença foi para a rua ouvir o que dizem os portuenses.

A+ / A-

Veja também:


Começou a contagem decrescente para o alívio das restrições impostas pela pandemia de Covid-19. Na sexta-feira, deixam de existir muitos dos constrangimentos, mas os comerciantes ainda aguardam detalhes sobre os procedimentos. As regras ainda não foram publicadas em Diário da República.

O uso de máscara deixa de ser obrigatório no pequeno comércio e nos restaurantes, mantendo-se nas grandes superfícies. A Associação Portuguesa de Centros Comerciais critica a demora na divulgação das normas.

“Ainda não conhecemos as regras. Conhecemos as linhas gerais do que é que vai ser, mas ainda não conhecemos o detalhe. Normalmente, estas resoluções sem tardiamente e isso, de facto, é incompreensível, porque deveria ser gerido de outra forma”, defende o diretor executivo da associação.

Rodrigo Moita de Deus denuncia ainda incoerências nas medidas anunciadas há uma semana pelo primeiro-ministro.

“O uso de máscara nos restaurantes dos centros comerciais: como se vai proceder? E a questão dos centros comerciais a céu aberto, se forem equiparados a centros comerciais fechados, não faz sentido”, aponta, em declarações à Renascença.

O pequeno comércio, como os cabeleireiros, tem as mesmas dúvidas. Miguel Garcia, presidente da associação que representa este setor, está preocupado e aguarda com expectativa a publicação das novas regras.

“Nós estamos um bocadinho preocupados, à espera do diploma legal que ainda não saiu, não foi publicado com todas as normas. Sabemos o que disse o primeiro-ministro e estamos expectantes para ver o que vai sair”, começa por dizer.

“Nós temos uma proximidade grande com o cliente, seja na altura de lavar a cabeça, seja na altura do corte, da estética ou na manicure. Numa fase inicial, independentemente de estarmos à espera da saída do diploma legal, nós associações iremos depois tomar uma posição pública mas, para já, parece-nos de bom tom mantermos, pelo menos até ao final do ano, o uso da máscara”, diz o presidente da Associação Portuguesa de Barbearias, Cabeleireiros e Institutos de Beleza.

“Por questões de prevenção, e até para dar um sinal de credibilidade do nosso espaço de que é seguro, é de bom tom mantermos as máscaras até ao final do ano”, reforça Miguel Garcia.

“A opção é do cliente”

A Renascença saiu à rua para sentir melhor o que sentem profissionais e clientes. No Porto, Alberto Machado impõe a máscara aos funcionários do cabeleireiro e vai tentar sensibilizar os clientes a fazer o mesmo.

"Estou convencido de que as pessoas vão usar a máscara", diz.

Já Filinto Pinto, gerente de uma sapataria, diz que deixa nas mãos do cliente o uso da máscara. “Se quiser entrar sem a máscara, não o vamos obrigar”. Contudo, “se a loja estiver com muitos clientes, pediremos que use”.

Num minimercado de frescos, Carlos Aguiar diz que, se a lei não obriga, o cliente que queira entra sem máscara. Até porque se trata de “um espaço aberto, amplo” e “a porta está sempre escancarada, seja verão ou inverno”.

Da parte dos clientes, Gabriela Carvalho não tem dúvidas de que continuará a usar máscara, “porque ainda não estamos livres da pandemia e, portanto, é uma questão de segurança. Em espaço fechado, vou usar”.

Já Emília Roque tem outra opinião e não pensa usar máscara em pequenas lojas com porta para a rua. “Se for a uma loja dessas, não, porque tenho respiração para fora”. Mas no cabeleireiro, “aí sim”, vai colocar.

Recorde aqui o que disse o primeiro-ministro depois do Conselho de Ministros de dia 23 de setembro, a última quinta-feira, sobre a terceira fase de desconfinamento.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+