Tempo
|
A+ / A-

Plataforma de Apoio aos Refugiados procura ajuda para acolher afegãos

08 set, 2021 - 09:00 • Olímpia Mairos

Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR) quer mobilizar a sociedade civil para colaborar na missão de acolher em Portugal mais refugiados.

A+ / A-

A Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR) está a apelar a uma mobilização urgente da sociedade civil para reforçar a capacidade de acolhimento de refugiados em Portugal, nomeadamente de cidadãos afegãos que estão a fugir todos os dias do Afeganistão e já começaram a chegar ao nosso país.

Neste contexto está a organizar sessões de esclarecimento públicas para todos os que queiram ajudar, sejam instituições anfitriãs ou voluntários a título individual. A primeira sessão tem lugar esta quarta-feira, às 18h00, na plataforma digital ZOOM.

Sublinhando que “o período atual é de grande pressão e instabilidade para a comunidade que a rede da PAR tem como missão apoiar, defender e, sobretudo, criar respostas de acolhimento e integração dentro de fronteiras”, o organismo refere que é “com bastante preocupação e noção do grau de imprevisibilidade e de indefinição destas situações de urgência humanitária que tem vindo a acompanhar os últimos acontecimentos, entre os quais se destaca a crise no Afeganistão”.

Jesuítas estão já a apoiar

O Serviço Jesuíta aos Refugiados (JRS), no âmbito da emergência humanitária, foi convocado de urgência pela Câmara Municipal de Lisboa para apoiar a chegada de cidadãos afegãos a Portugal.

Está a fazê-lo em dois espaços: no Centro de Acolhimento Temporário de Refugiados (CATR), onde já tem uma presença permanente há alguns anos; e num novo centro adaptado, instalado numa instituição em Lisboa.

Segundo o Serviço Jesuíta aos Refugiados, “desde a madrugada do último sábado, chegaram de emergência a estes dois espaços 88 pessoas: 19 pessoas no CATR, 10 dos quais são crianças, e 69 pessoas na outra instituição, 36 das quais são crianças, algumas de tenra idade".

“A esmagadora maioria destas pessoas são famílias com crianças pequenas e nalguns casos avós. A postura de todos é de uma enorme gratidão por este acolhimento de emergência”, lê-se no comunicado que indica ainda que “a maioria dos homens cabeça-de-casal trabalharam como intérpretes no Afeganistão, em colaboração com as forças internacionais, incluindo as forças armadas portuguesas”.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+