Tempo
|
A+ / A-

Explicador

Quem pode levar a dose adicional da vacina contra a Covid-19?

02 set, 2021 - 09:13 • Fátima Casanova

A DGS atualizou o esquema vacinal para pessoas com um sistema imunitário deficitário. Saiba quem são e porque esta não é considerada uma terceira dose.

A+ / A-

Veja também:


Foi atualizada, na quarta-feira, a norma sobre o plano de vacinação contra a Covid-19, tendo sido adicionada uma dose para pessoas imunossuprimidas.

Quem poderá vir a beneficiar desta dose?

A Direção-Geral da Saúde recomenda uma dose adicional a pessoas com mais de 16 anos que tenham o sistema imunitário comprometido. Estão neste grupo, por exemplo, pessoas com infeção VIH, as que realizaram transplantes de órgãos sólidos e os doentes oncológicos.

Também podem ser vacinadas pessoas com algumas doenças autoimunes.

No total, quantas pessoas serão?

Pelas contas da DGS, o número andará perto de 100 mil utentes. Estas pessoas vão receber a vacina da Pfizer ou da Moderna, as duas que têm a mesma característica, de RNA mensageiro. E só podem receber esta dose três meses após a última toma da vacina.

E o que devem fazer para ter esta dose adicional?

Essa dose adicional tem de ser prescrita pelo médico assistente, o que poderá ser feito já a partir desta quinta-feira.

De resto, é o procedimento já normal: os médicos também prescrevem as vacinas para outras doenças e a administração decorre num centro de saúde.

Mas porque existe a preocupação de não falar em terceira dose?

Segundo as explicações da diretora-geral da Saúde, esta dose adicional deve-se ao facto de, na altura em que estas pessoas receberam a vacina, pudessem não estar com o seu sistema imunitário capaz de reagir. Daí a necessidade de apanharem uma dose adicional, para garantir que ficam com o esquema vacinal completo.

E quanto ao resto da população, há indícios de que venha a precisar de uma terceira dose?

A DGS não fecha a porta a que isso venha a acontecer, mas, em entrevista à agência Lusa, a diretora-geral da saúde sublinha, de forma cautelosa, que ainda está a ser recolhida informação científica e as recomendações podem ser ajustadas em função da evolução do conhecimento.

Quanto à dose adicional para os idosos, tão falada, Graça Freitas diz que a indústria farmacêutica ainda não submeteu o processo de autorização à Agência Europeia do Medicamento (EMA).

Como tem sido lá por fora?

A Rússia liberou a administração da dose de reforço para aqueles que tomaram a vacina Sputnik V, desenvolvida no país.

Turquia, Chile, Bélgica, Estados Unidos, Brasil, Israel, Alemanha, França e Reino Unido são outros países que já decidiram administrar a terceira dose.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+