A+ / A-

“Teste do pezinho”

Nasceram menos 4.474 bebés no primeiro semestre

02 ago, 2021 - 09:50 • Redação com Lusa

Bragança, Portalegre e Guarda foram os distritos com menos recém-nascidos estudados.

A+ / A-

Nos primeiros seis meses deste ano, nasceram 37.675 bebés, uma redução de 4.474 relativamente ao período homólogo, segundo dados do Instituto Nacional Ricardo Jorge (INSA).

Os dados mostram que o maior número de bebés rastreados aconteceu nos distritos de Lisboa e do Porto, com 11.208 e 7.008 respetivamente, seguidos de Braga (2.765). Por outro lado, Bragança (253), Portalegre (269) e Guarda (282) foram os distritos com menos recém-nascidos estudados.

Os números são recolhidos no âmbito dos “testes do pezinho” realizados pelo Programa Nacional de Rastreio Neonatal (PNRN), coordenado pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, através da sua Unidade de Rastreio Neonatal, Metabolismo e Genética, do Departamento de Genética Humana.

O chamado “teste do pezinho” - rastreio de algumas doenças graves - é feito desde 1979.

O painel das doenças rastreadas é constituído por 26 patologias: hipotiroidismo congénito, fibrose quística e 24 doenças hereditárias do metabolismo, sendo o exame efetuado através da recolha de umas gotículas de sangue no pé da criança, para permitir diagnosticar algumas doenças graves que clinicamente são difíceis de identificar nas primeiras semanas de vida, e que mais tarde podem provocar atraso mental, alterações neurológicas graves, alterações hepáticas ou até situações de coma.

O exame deve ser realizado entre o terceiro e o sexto dia de vida do recém-nascido, porque antes do terceiro dia os valores dos marcadores existentes do sangue do bebé podem não ter valor diagnóstico, e após o sexto dia alguns marcadores perdem sensibilidade, havendo o risco de atrasar o início do tratamento.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+