Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. Centenas de jovens já foram vacinados no Funchal

31 jul, 2021 - 14:43 • Redação com Lusa

Centro de Vacinação do Funchal só deveria abrir às 13h00 mas, perante a afluência, começou a vacinar jovens antes das 9h00.

A+ / A-

Centenas de adolescentes residentes na Madeira afluíram hoje bem cedo ao Centro de Vacinação do Funchal para serem vacinados contra a covid-19, sendo esta a primeira região começar a inocular a partir dos 12 anos.

Estava previsto começar às 13 horas mas, antes das 9h, já cerca de uma centena de crianças com mais de 12 anos estava em fila no Funchal para a vacinação Covid. Os responsáveis do centro decidiram, então, começar os trabalhos mais cedo, conta à RTP Ana Gouveia, diretora do centro de vacinação instalado no Madeira TecnoPolo.

"Começamos antes das nove. Logo que abrimos o centro, tínhamos cá pais e jovens adolescentes para serem vacinados. Tentamos reorganizar-nos em termos de equipa, espaço, distribuição e preparação de vacinas e começamos logo a vacinar. Não podíamos perder esta oportunidade", explicou.

"As pessoas acharam que era de manhã, não viram bem que era a partir das 13h. Em menos de meia hora já tínhamos cerca de cem pessoas a serem vacinadas na faixa etária dos 12 aos 17 anos", acrescentou Ana Gouveia.

Ao contrário das recomendações da Direção-Geral da Saúde, o Governo Regional da Madeira decidiu vacinar universalmente todas as crianças acima dos 12 anos. As vacinas que vão ser usadas serão as da Johnson e a da Pfizer.

Autoridades já previam adesão

Ana Gouveia salientou que as autoridades regionais de saúde "já estavam a prever que a adesão à vacinação fosse boa", tendo em conta os telefonemas recebidos, todas as questões colocadas e o facto da "população madeirense aderir bem à vacinação".

Complementou que "ao longo dos últimos dias já havia a preocupação de muitos pais que queriam ver os filhos vacinados antes dos 17 anos".

Antes das 13:00, a hora marcada para ter início a "casa aberta" de vacinação no Funchal, centenas de pessoas aguardavam em longa filas pela sua vez.

Entre estes, uma jovem de jovem de 17 anos, com lágrimas não porque não pretendia ser vacinada, mas por "ter medo de agulhas desde criança", assegurou à agência Lusa, vincando que concordava com a administração da vacina porque "é mais seguro para todos".

A mãe, Alexandra Mendes acompanhava-a, confirmou o medo da filha, e opinou que esta é "uma boa medida", acrescentando que sendo profissional de saúde, é preciso levar em conta que os jovens "vão voltar à escola e vão estar tudo juntos".

Também Josef Sechava, um emigrante da Venezuela, que estava junto do filho José André com 12 anos para ser inoculado, admitiu ter "falado com amigos de vários países sobre a situação" e chegou à conclusão que "há mais benefícios em ter a vacina do que não ter".

"Há muitas teorias e divergências, mas eu queria ser vacinado e foi também uma decisão de família, mas sinto-me mais seguro", declarou José André, garantindo não ter "qualquer receio".

Dois irmãos, Pedro e Laura Rodrigues, ele com 15 e ela com 17 anos, estavam acompanhados pelo pai, que, apesar de considerar "não ser o momento para ser vacinado", aceitou a decisão dos filhos, sustentando que "são livres para tomar as suas opções e avaliar a situação".

Laura opinou que a vacinação permite que "o próximo ano escolar seja mais seguro e não seja preciso voltar às aulas à distâncias, que são muito prejudiciais", tendo o irmão (Pedro), complementado que esta é uma forma de se "sentir mais seguro".

Tiago Batista com 13 anos também vincou que a vacinação "é uma proteção" para si e para "os que estão á sua volta", reforçando a mãe, Ana Batista que esta medida "é uma mais-valia para tornar possível retomar a vida normal, um ano letivo com aulas presenciais" e que "os jovens hoje estão muito bem informados sobre a situação da pandemia".

Mariana Leça, com 17 anos, tinha acabado de ser inoculada e afirmou que "esta é uma boa medida porque todos sabem que a covid-19 afeta também os jovens e muitos, ultimamente, têm sido infetados".

"A vacinação vem criar uma imunidade maior e é uma forma de nos protegermos e à nossa família", realçou a jovem.

Natacha Leça também foi vacinada e enfatizou que esta é uma "medida certa", falando da "confiança nos médicos", embora considere que "há o perigo de ainda não terem sido administradas as vacinas entre os 20 e os 22 anos.

Segundo os últimos dados da Direção Regional de Saúde, a Madeira registou sexta-feira 27 novos casos de covid- e 25 recuperações, tendo sido assinaladas 243 infeções ativas no arquipélago.

Sexta-feira, a Direção-Geral de Saúde (DGS) recomendou administração de vacinas contra a covid-19 em crianças entre os 12 e os 15 anos com comorbilidades.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+