Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Covid-19

Discotecas do sul dizem que abertura em outubro chega "tarde"

29 jul, 2021 - 19:32 • Lusa

A Associação de Discotecas do Sul e Algarve congratula-se pelo facto de os estabelecimentos do centro e norte do país poderem abrir mais cedo, mas lamenta que os seus membros não tenham a mesma sorte.

A+ / A-

Veja também:


A Associação de Discotecas do Sul e Algarve (ADSA) considerou esta quinta-feira que a reabertura do setor a partir de outubro chega "tarde" para os espaços de diversão noturna da região, que têm "mais um verão perdido".

O presidente da ADSA, Liberto Mealha, congratulou-se, no entanto, por bares e discotecas de outras regiões do país poderem retomar a atividade com a reabertura anunciada esta quinta-feira pelo Governo, no âmbito do plano de desconfinamento traçado para acompanhar uma evolução positiva da pandemia de Covid-19.

"Mais vale tarde do que nunca, mas o que é facto é que, na verdade, sendo anunciado as discotecas a abrir em outubro, para nós Algarve não surte efeito nenhum, é mais um verão perdido, porque, sendo nós sazonais, em outubro a época praticamente está terminada e a decisão é muito prejudicial", afirmou Liberto Mealha.

Numa reação ao anúncio feito esta quinta-feira pelo primeiro-ministro, António Costa, no final do Conselho de Ministros, Liberto Mealha destacou a importância da medida para as empresas do setor que operam noutras regiões portuguesas.

"Para o resto do país, finalmente houve aqui esta abertura, embora já um bocado tarde, mas estou satisfeito pelos colegas que estão em Lisboa e Porto, que podem usufruir e continuar a trabalhar, agora aqui no Algarve não nos serve para nada esta decisão", reiterou o presidente da ADSA, que é também vice-presidente da Associação Nacional de Discotecas.

Liberto Mealha lamentou que, com a abertura em outubro, 2021 seja "mais um ano perdido" à semelhança do que aconteceu em 2020, com efeitos negativos para o emprego e a saúde financeira das "cerca de 20 discotecas que matem atividade em todo Algarve".

A mesma fonte sublinhou que cada discoteca tem "uma média de 20 a 25 empregados, algumas com mais, e são seguramente umas 500 famílias afetadas" pela impossibilidade de as discotecas algarvias trabalharem durante verão.

"Em relação ao resto do comércio, foi uma decisão acertada, porque na verdade já estávamos a ter muitos turistas a dizer que não valia a apena vir para Portugal ou para o Algarve com horários até as 22h30", disse ainda a mesma fonte, frisando que este posicionamento também já estava a ser observado junto de turistas do Reino Unido, que "optavam por Espanha e não por Portugal por causa do horário".

Os bares e discotecas vão permanecer encerrados até outubro, mês em que poderão reabrir para clientes com certificado de vacinação contra a Covid-19 ou de recuperação da doença ou com teste negativo, anunciou esta quinta-feira o primeiro-ministro.

Os espaços de diversão noturna estão encerrados permanentemente desde março de 2020 por causa da pandemia e poderão reabrir em outubro, quando as autoridades estimam que 85% da população portuguesa esteja com a vacinação completa contra a Covid-19, disse António Costa.

O primeiro-ministro falava no final do Conselho de Ministros desta quinta-feira, que aprovou três novas fases de levantamento das restrições em vigor por causa da pandemia e de retoma gradual de algumas atividades, sendo a primeira fase em 1 de agosto (57% população vacinada), a segunda em 5 de setembro (71%) e a última em outubro (85%).

"Nessa fase será então possível que bares e discotecas possam reabrir", disse António Costa, que acrescentou que os frequentadores terão de apresentar os certificados digitais e testes negativos, que são já agora pedidos na restauração.

A pandemia de Covid-19 provocou pelo menos 4.190.383 mortos em todo o mundo, entre mais de 195,8 milhões de casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o balanço mais recente da agência France-Presse.

Em Portugal, desde o início da pandemia, em março de 2020, morreram 17.330 pessoas e foram registados 963.446 casos de infeção, segundo a Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil e Peru.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+