Tempo
|
A+ / A-

Covid-19: Centenas sem máscara em protestos em Lisboa e no Porto contra certificado e uso de máscara

18 jul, 2021 - 16:46 • Lusa

No Porto, um grupo de cidadãos protestou contra medidas sanitárias e acusou a comunicação social de ser o "vírus". Em Lisboa, queixaram-se das "medidas ditatoriais".

A+ / A-

Veja também:


Mais de meio milhar de pessoas manifestaram-se este domingo em frente à Assembleia da República, em Lisboa, contra as medidas de prevenção contra a pandemia de covid-19, nomeadamente o uso obrigatório de máscara e o certificado digital de vacinação.

“Não somos gado” e “no meu corpo ninguém me toca” foram alguns dos gritos de ordem dos manifestantes que participaram nesta ação de protesto, que teve início no Terreiro do Paço e foi organizada pelo movimento “Acorda Portugal”.

Munidos de cartazes e de bandeiras de Portugal, a maioria deles sem máscara e sem cumprir o distanciamento de segurança, manifestaram o seu desagrado pelas “medidas ditatoriais” das autoridades sanitárias.

“Esta história do certificado digital apenas tem como propósito estabelecer uma ditadura e nós opomo-nos a isso. Nós prezamos os direitos humanos. Nós somos humanos. Nós não somos gado”, afirmou à agência Lusa o organizador e porta-voz do movimento “Acorda Portugal”, Daniel Leal.

A ação de protesto juntou cerca de 600 pessoas, números avançados pela organização.

No Porto, algumas centenas de pessoas, quase todas sem máscara, manifestaram-se este domingo contra o certificado digital Covid-19 e outras medidas antipandémicas impostas pelo Governo, recusando balizas à liberdade de movimentos.

Mobilizados sobretudo nas redes sociais pelo movimento "Acorda Portugal", os manifestantes concentraram-se durante a tarde, na praça de Leões, junto à Reitoria universitária, descendo até à praça Almeida Garrett, frente à Câmara Municipal, num percurso de cerca de um quilómetro.

"Saímos à rua para defender a nossa liberdade, e contestar a medida do certificado digital Covid-19 assim como as medidas que constantemente têm vindo a atropelar a nossa Constituição", proclamou o movimento na convocatória dos protestos.

O "Acorda Portugal" diz-se um grupo de cidadãos "sem qualquer ligação a partidos políticos" e reclama ter juntado, em apenas dois dias, 10 mil pessoas num grupo de redes sociais".

No protesto do Porto, os manifestantes empunhavam cartazes com frases como "liberdade, sim; segregação e opressão, não" ou "livres - não voltar atrás".

Falando perante os manifestantes, Cátia Moura, do movimento "Acorda Portugal", afirmou que "o que o que está em causa é a liberdade", não concordando "com medidas completamente opressivas e absurdas".

"Não vão abafar a nossa Constituição", acrescentou.

E a plateia respondeu em coro: "Nunca!".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • CO
    24 jul, 2021 S.A 17:50
    Averdade esta a vir aos poucos.
  • J M
    19 jul, 2021 Seixal 13:44
    Em vez de um grupo de cidadãos eu chamar-lhe-ia um grupo de imbecis.
  • manuel ferraz
    19 jul, 2021 Porto 13:11
    Sobre estes não critico pois têm direito à manifestação mas o que não têm direito é a prejudicarem os outros com a não vacinação. Sobre isto entre eles façam um abaixo assinado e entreguem às autoridades para que quando tiverem covid os hospitais lhe apresentarem as contas na totalidade. Nem os seguros lhe deveriam pagar as contas. Aí sim eztava de acordo com eles.
  • Petervlg
    19 jul, 2021 Trofa 07:38
    é fácil resolver estas questões, façam um registo dessas pessoas, e se porventura apanharem covid, não seriam tratadas. é que estas pessoas, se calhar foram aquelas que bateram palmas, aos profissionais de saúde, no inicio da pandemia, e agora apenas desrespeito por esses profissionais de saúde. Pois é isso que se trata, desrespeito pelos profissionais de saúde e pelo próximo.
  • paz peixoto
    18 jul, 2021 lisboa 17:04
    oVice.Almirante quer evitar filas para a vacinação com recurso a senhas pelo telemóvel- E quem não tiver telemóvel ou não souber acedar à app? Na Administração pública as apps são uma desgraça.Acho que deviam contratar para láum bom punhado de militares

Destaques V+