Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Novo perfil dos internados com Covid-19. Especialista diz que 40% têm menos de 50 anos

06 jul, 2021 - 08:56 • João Cunha , Olímpia Mairos

Para o diretor de Medicina Intensiva do Hospital de São João, numa altura em que aumentam os casos de Covid-19 é necessário também “acelerar a vacinação” e manter comportamentos de “proteção individual e social que reduzam as possibilidades de transmissão”.

A+ / A-

Veja também:


A quarta vaga da pandemia está a fazer aumentar o número de internamentos no país e voltou a ser preciso abrir novas camas nos cuidados intensivos (UCI). O diretor de Medicina Intensiva do Hospital de São João e presidente do Colégio de Medicina Intensiva da Ordem dos Médicos alerta para a alteração no perfil dos hospitalizados.

José Artur Paiva diz que a vacinação está a contribuir para que se verifiquem menos casos graves de Covid-19, mas está na hora de ativar todas as camas possíveis.

“A vacinação reduz francamente as formas mais graves da doença, portanto, esse crescimento do número de casos não vai levar à duplicação dos casos em medicina intensiva, semelhante àquele que ocorreu na segunda onda”, explica.

Em entrevista, o especialista lembra que, “em outubro do ano passado, tínhamos um tempo de duplicação de casos em medicina intensiva que era de cerca de duas semanas, mas agora será bem mais lento”.

Ainda assim, assinala que “o aumento da transmissão comunitária causa um aumento da necessidade de camas de medicina intensiva e, portanto, este é o momento de ativar todas as camas de medicina intensiva disponíveis”.

José Artur Paiva, que é membro da Comissão de Acompanhamento da Resposta Nacional em Medicina Intensiva para a Covid, indica ainda que o perfil do doente Covid mudou e é agora cada vez mais jovem.

“O perfil é diferente pela diminuição franca do doente idoso ou do não tão idoso, mas com comorbilidades, com doenças prévias significativas. Aí as formas de grave doença foram muito diminuídas porque a vacinação está muito avançada nesses grupos etários. Portanto, ficou o outro segmento que já existia, que é do individuo mais jovem e que não tem doença previa significativa e tem uma qualidade de vida normal”, explica.

De acordo com José Artur Paiva, “a incidência de formas críticas neste grupo não aumentou, a média de idades diminuiu, porque foi reduzido o segmento de pessoas mais idosas com formas graves”.

“Nesta altura, à escala nacional, dois terços dos doentes com Covid-19 internados em medicina intensiva têm menos de 60 anos. Já 40% têm menos de 50 anos”, assinala.

Por isso, defende ser necessário manter as medidas de proteção por parte da população e aumentar a rapidez da vacinação.

Desde logo, “é preciso acelerar a vacinação” e manter “as intervenções não farmacológicas. Ou seja, continuar com um comportamento de proteção individual e social que reduza as possibilidades de transmissão do vírus”, assim como, “manter uma boa utilização da capacitação que foi feita da medicina intensiva”.

Em Portugal, desde o início da pandemia, em março de 2020, morreram 17.117 pessoas e foram registados 890.571 casos de infeção, de acordo com a Direção-Geral da Saúde. A presença da variante Delta está a gerar uma subida de novos casos diários.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • lj
    27 jul, 2021 lx 08:17
    Em que ficamos? "Covid-19: quase 70% dos internados em cuidados intensivos têm menos de 59 anos, diz Ordem dos Médicos" - Público (27 de Julho de 2021)
  • Juventude
    06 jul, 2021 Irresponsável 18:52
    50 ou 30 anos? Segundo tem sido dito, parece que agora é a malta nova, aqueles cujo mote é "somos jovens, queremos aproveitar", que por causa duma noitada, acabam a ir parar aos hospitais e mesmo que escapem, estão defeituosos para a Vida. Velhos, ainda novos. Na altura certa, não puseram o Tico e Teco a trabalhar, e depois, tramaram-se. O pior é que podem ter tramado alguns outros que nada tinham a ver com essa estupidez, e que se lixaram com eles.

Destaques V+