Tempo
|
A+ / A-

INSA

Variante Delta com "subida galopante" em Portugal Continental

29 jun, 2021 - 07:33 • Redação

A região do Alentejo é onde a prevalência é maior, seguindo-se a zona Centro e Lisboa e Vale do Tejo. O último relatório do Instituto Ricardo Jorge revela que foram detetados 46 casos da Delta Plus.

A+ / A-

Veja também:


O último relatório do Instituto Ricardo Jorge (INSA) revela que a variante Delta (associada à Índia) é a responsável por mais de metade dos casos em Portugal, passando de 4% em maio para 55,6% em junho. Domina em praticamente todo o país, com exceção para a região Norte e para os Açores e Madeira.

Esta análise mensal mostra que a variante Delta teve “uma subida galopante” na frequência relativa a nível nacional, mas a sua distribuição “é ainda muito heterogénea entre regiões”.

A região do Alentejo é onde a prevalência é maior (quase 95%), seguindo-se a Região Centro e a região de Lisboa e Vale do Tejo.

A variante Alfa (associada ao Reino Unido) foi detetada com uma frequência relativa de 40,2% na amostragem nacional, "evidenciando um forte decréscimo de frequência a nível nacional".

Todavia, esta variante é a mais prevalente na região Norte (62,7%) e nas Regiões Autónomas dos Açores (96,8%) e Madeira (69,8%).

A variante Gama (originária do Brasil) também perdeu importância (4,3% em abril, 2,3% em maio e 2% em junho), assim como a Beta (da África do Sul) que representa apenas 0,1% dos casos estudados, após vários meses a rondar os 2%.

Foram detetados 46 casos da Delta Plus. Cerca de metade destes diagnósticos “restringem-se a apenas duas cadeias de transmissão de âmbito local, sugerindo que a sua circulação comunitária é ainda limitada”.

Segundo o este relatório, foram analisadas 9.846 sequências do genoma do novo coronavírus, obtidas de amostras colhidas em mais de 100 laboratórios, hospitais e instituições, representando 284 concelhos de Portugal.

Desde abril de 2020, o INSA tem vindo a desenvolver o “Estudo da diversidade genética do novo coronavírus SARS-CoV-2 em Portugal”, com o objetivo de determinar os perfis mutacionais para identificação e monitorização de cadeias de transmissão do novo coronavírus, bem como identificação de novas introduções do vírus em Portugal.

Em Portugal, morreram 17.086 pessoas e foram confirmados 875.449 casos de infeção, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A nível mundial, a pandemia provocou pelo menos 3.925.816 de vítimas, resultantes de 181.026.547 casos de infeção diagnosticados oficialmente, segundo o balanço feito pela agência francesa AFP.

Os EUA lideram o ranking da Bloomberg de 53 melhores países para estar durante a pandemia, no qual Portugal ocupa o 29.º lugar. "Quase um ano e meio após o início da pandemia, os melhores e piores lugares para se estar na era covid-19 são cada vez mais definidos por uma coisa: normalização", refere a agência financeira.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+