Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Médicos de Saúde Pública admitem necessidade de desconfinamento "recuar um passo" em todo o país

21 jun, 2021 - 18:25 • Hugo Monteiro , com redação

Gustavo Tato Borges critica, em declarações à Renascença, o atraso na definição de novas medidas de contenção da pandemia. Agora, será preciso cerca de um mês para reverter os atuais números, sublinha.

A+ / A-

Veja também:


O vice-presidente da Associação de Médicos de Saúde Pública, Gustavo Tato Borges, admite que Portugal continental pode ter de recuar no desconfinamento devido ao avanço da pandemia de Covid-19.

A entrada do território continental na zona vermelha da matriz de risco - com mais de 120 casos por 100 mil habitantes - pode obrigar a medidas mais duras para travar o aumento de infeções e ganhar tempo para a nova variante Delta, como esta segunda-feira também admitiu a ministra da Saúde, Marta Temido.

Em declarações à Renascença, o vice-presidente da Associação de Médicos de Saúde Pública, Gustavo Tato Borges, explica que estas medidas terão de ser definidas para todo o continente, e não apenas para a região de Lisboa e Vale do Tejo (LVT), que tem dois terços do total de novas infeções.

“Pode levar à necessidade de colocar novas medidas ou até mesmo de parar o plano de desconfinamento, e recuar um passo. Se nós pusermos muitas medidas para Lisboa e Vale do Tejo e nenhumas à volta, os lisboetas vão, como é natural, pegar no seu carro e sair, meter-se no avião e ir para o Algarve ou para as ilhas. Para serem eficazes, as medidas têm que ser a nível nacional”, defende Gustavo Tato Borges.

O especialista admite que a medida não vai ser popular, mas “o país precisa de perceber que enquanto não estivermos todos no mesmo ritmo e na mesma onda, no continente, será difícil termos o Norte a desconfinar, Lisboa a confinar e o Centro no meio termo”.

“Não dá”, alerta o vice-presidente da Associação de Médicos de Saúde Pública, que critica o atraso na definição de novas medidas de contenção da pandemia. Agora, será preciso cerca de um mês para reverter os atuais números.


“Tivessem sido tomadas medidas há algumas semanas, a esta altura podíamos estar agora com a situação controlada. Com a situação como está agora, vamos precisar de um mês para poder reverter a situação que temos, pela carga de doença que existe e pela quantidade de pessoas não detetadas que, possivelmente, continuam a circular.”

Nestas declarações à Renascença, Gustavo Tato Borges critica a proibição de sair e entrar na Área Metropolitana de Lisboa (AML) ao fim de semana. Para o especialista em Saúde Pública, esta é uma medida muito pouco eficaz e insuficiente.

“Essa medida foi tomada, única e exclusivamente, para tentar impedir a saída de pessoas de Lisboa e de levar a doença para fora. Mas, se tivermos um copo de água suja no meio de uma tina com água normal, se o copo sair a água suja-se por todo o lado. E aqui, basicamente, à semana não existe copo, não existe limitação. As pessoas circulam na mesma e só fazer a separação ao fim de semana é insuficiente.”

O especialista em Saúde Pública sente, ainda, a falta de mais medidas específicas para a travar a Covid-19 em Lisboa e Vale do Tejo.

Tato Borges sublinha que, nesta altura, Portugal arrisca-se a sair dos chamados “corredores verdes” dos diferentes países. O setor do turismo pode perder mais um Verão, com as inevitáveis consequências económicas, alerta.

“Não foram tomadas medidas, não foi controlada a situação, os casos explodiram e agora temos Portugal preso a uma realidade de Lisboa e Vale do Tejo. E não vale a pena dizerem que não morre ninguém e há poucos internamentos. Os países europeus que viajam para cá não estão preocupados com os internamentos e os óbitos, estão preocupados com o número de casos e a possibilidade de poderem importar uma estirpe nova. Se Portugal não controla os seus casos, o turismo português vai perder o corredor verde e vamos ficar ainda pior em termos económicos.”

O vice-presidente da Associação de Médicos de Saúde Pública considera que vai ser inevitável que a variante Delta do vírus da Covid-19 passe a ser predominante em Portugal.

A melhor maneira de a combater será a vacinação que, por sua vez, terá de ser acelerada, nomeadamente nas faixas etárias mais baixas, defende Gustavo Tato Borges.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Bruno
    21 jun, 2021 aqui 21:37
    A ideia de comparar Lisboa a um copo com água suja é muito feliz. É a descrição perfeita para a cidade e suas vizinhanças.

Destaques V+