Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Lares com 13 mil utentes sem vacina

13 jun, 2021 - 11:49 • Henrique Cunha

Presidente da Confederação Nacional das Instituições Particulares de Solidariedade Social (CNIS) pede que se encurte o prazo para a vacinação de pessoas anteriormente infetadas.

A+ / A-

Veja também:


O presidente da Confederação Nacional das Instituições Particulares de Solidariedade Social (CNIS), o padre Lino Maia, pede que se encurte o prazo para a vacinação de pessoas anteriormente infetadas.

Em entrevista à Renascença, o padre Lino Maia disse que, até fevereiro deste ano, altura da última grande vaga de infeções, “havia 9 mil utentes e quase 4 mil trabalhadores infetados com a Covid-19; ou seja, pelo menos 13 mil pessoas ainda estão por vacinar”.

O presidente da CNIS considera “exagerado” que “um utente ou funcionário tenha de esperar 6 meses pela vacina, depois de ter contraído o vírus” e pede por isso que se altere “uma orientação que não é geral” e que se encurte o prazo para apenas 3 meses.

“Isso tornaria a situação muito mais tranquila nos nossos lares”, adianta o padre Lino Maia, até porque nesta altura as visitas continuam a realizar-se “com muitos cuidados”.

O responsável garante que “não há limite de visitas”, mas lembra que “todos nós sabemos que o vírus ainda anda por aí e nestas instituições está uma população muito frágil”.

E, por isso, reforça o pedido para que, neste processo de vacinação “que tem corrido bem” se dê prioridade à vacinação de todos “aqueles que foram infetados e que continuam sem receber a vacina”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+