Tempo
|
A+ / A-

Inspetores recorrem a tribunal para travar "extinção do SEF"

02 jun, 2021 - 08:17 • Lusa

Sindicato garante que os inspetores vão "lutar até ao fim para fazer valer a constituição e impedir o 'golpe de Estado' constitucional que o ministro Eduardo Cabrita pretende levar a cabo".

A+ / A-

O maior sindicato de inspetores do SEF apresentou uma providência cautelar para suspender a resolução do Conselho de Ministros que define a reestruturação deste serviço de segurança.

Acácio Pereira, presidente do Sindicato da Carreira de Investigação e Fiscalização do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SCIF/SEF), avançou que a providência cautelar para suspender os efeitos da resolução do Conselho de Ministros foi apresentada na segunda-feira no Supremo Tribunal Administrativo e tem como objetivo "travar a extinção do SEF pelo Governo".

A resolução do Conselho de Ministros que define as orientações políticas para a criação do Serviço de Estrangeiros e Asilo (SEA), que vai suceder ao SEF, foi publicada em Diário da República em 14 de abril e estabelece "as traves-mestras de uma separação orgânica muito clara entre as funções policiais e as funções administrativas de autorização e documentação de imigrantes".

A resolução determina quais as atribuições de natureza policial do SEF que vão transitar para a Guarda Nacional Republicana, Polícia de Segurança Pública e Polícia Judiciária, bem como as competências que vão passar para o Instituto dos Registos e Notariado, ficando o novo Serviço de Estrangeiros e Asilo com "atribuições de natureza técnico-administrativa".

O presidente do SCIF/SEF considera "absolutamente inconstitucional que a reforma do SEF não passe pelos partidos políticos com assento parlamentar".

"A resolução do Conselho de Ministros viola de forma grosseira a competência da Assembleia da República para legislar em matéria do regime das forças de segurança, bem como a Lei Orgânica do SEF, o Estatuto do Pessoal do SEF, a Lei de Segurança Interna, as leis orgânicas da GNR, PSP e PJ e a Lei da Organização da Investigação Criminal", disse Acácio Pereira.

O presidente do sindicato sustentou que a providência cautelar "pretende impedir que o Governo continue a política de desmantelamento e extinção do SEF" e requer também que o Executivo submeta à Assembleia da República "uma eventual reforma deste órgão de polícia criminal".

Nos pareceres solicitados pelo sindicato, o constitucionalista Jorge Miranda e o antigo ministro da Administração Interna do PS Rui Pereira defendem que a reorganização do SEF "é da reserva absoluta de competência legislativa da Assembleia da República" e que "uma eventual reorganização pelo Governo, nem que fosse com autorização legislativa (...), seria patentemente inconstitucional".

Acácio Pereira garante que os inspetores do SEF vão "lutar até ao fim para fazer valer a constituição e impedir o 'golpe de Estado' constitucional que o ministro Eduardo Cabrita pretende levar a cabo".

Segundo o sindicalista, o desmantelamento do SEF prejudicaria o combate à criminalidade transfronteiriça em todo o Espaço Schengen e iria pôr em causa a segurança nacional e da União Europeia.

Na semana passada, o Parlamento aprovou uma resolução do CDS-PP que recomenda ao Governo que deve submeter ao parlamento a reestruturação do SEF, com voto contra do PS e da deputada Joacine Katar Moreira.

Esta sexta-feira, o ministro da Administração Interne tem reuniões marcadas com os dois sindicatos que representam os inspetores do SEF, sendo o ponto de agenda o estatuto dos inspetores da carreira de investigação e fiscalização.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+