Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

O que se passa em Odemira “é uma vergonha para o país” acusa Rui Rio

05 mai, 2021 - 21:40 • Eunice Lourenço

Presidente do PSD questiona poderes públicos por não terem feito nada até agora

A+ / A-

Veja também:


O que se passa com os trabalhadores migrantes em Odemira “é uma vergonha para o país”, acusa o presidente do PSD, Rui Rio, que questiona os poderes públicos por não terem feito tudo o que podiam e deviam até agora.

“Como é que há pessoas que veem aquilo, que têm responsabilidades públicas, e não levam até ao limite a sua capacidade de ação?”, perguntou Rio, em entrevista à RTP 3, esta quarta-feira à noite, onde questionou em concreto a GNR local e o presidente da Câmara de Odemira por considerar que deviam ter atuado mais cedo e com mais firmeza.

“O relatório anual de segurança interna de 2018 já chamava a atenção para isto”, afirmou o líder do PSD, que também considera que a Autoridade para as Condições de Trabalho (ACT) devia já ter atuado perante os alertas para as condições de vida dos trabalhadores naquele concelho alentejano.

“Outra coisa que está infelizmente em cima da mesa que é a questão da justiça”, continuou Rui Rio que não compreende o que anda a Polícia Judiciária a investigar há dois anos. “A investigar o quê? Qual é a complexidade da investigação? Aqui não é o caso BES”, questionou.

“Ficam mal os empresários que fazem aquilo, mas fica particularmente mal os serviços públicos”, afirmou Rui Rio, que deixou ainda mais suspeitas no ar ao dizer que “detrás daquilo há zunzuns de um negócio ainda maior”. “Acho que a vergonha ainda é maior do que tem vindo a público”, disse.

Para o líder do PSD “não houvesse pandemia continuava tudo assim, na inação”. Agora, é preciso instaurar os processos crime e fazer os julgamentos que for preciso fazer porque “tudo é inaceitável” e “não se pode tratar seres humanos assim em parte nenhuma do mundo”.

[Notícia atualizada às 22h47]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    05 mai, 2021 évora 22:08
    Estão a fazer em Portugal aos imigrantes da Ásia e América do Sul o mesmo que os retornados fizeram ao negros em África , assim começou a guerra em 1961 . Fartos dos capangas e jagunços Portugueses começaram a cortar cabeças aos Portugueses . Uma vergonha Nacional e talvez sejam agora os descendentes desses retornados por cá instruídos a fazerem o mesmo . Escravatura a céu aberto com interesses do Estado em continuar , pois baixa o preço de custo e dá receita de impostos , a bem ver o Estado é o Padrinho dessa escravatura . Mas é em todo o Portugal não é só em Odemira .

Destaques V+