Tempo
|
A+ / A-

Pandemia

Covid-19. Incidência é mais alta dos 30 aos 35 anos e mais baixa nos 85 anos

23 abr, 2021 - 18:53 • André Rodrigues

De acordo com o relatório de monitorização das linhas vermelhas para a Covid-19, da Direção-Geral da Saúde (DGS) e do Instituto Ricardo Jorge (INSA), Portugal poderá atingir o limiar dos 60 casos por 100 mil habitantes dentro de "um a dois meses".

A+ / A-

A faixa etária entre os 30 e os 35 anos é a que regista a incidência mais elevada da Covid-19 em Portugal.

Segundo o relatório de monitorização das linhas vermelhas, do Instituto Ricardo Jorge (INSA) e da Direção-Geral da Saúde (DGS), a faixa entre os 30 e os 35 anos regista “122 casos por 100 mil habitantes”, ao passo que a população com 85 anos tem o menor número de casos, com 36 por 100 mil habitantes, “o que reflete um risco de infeção muito inferior ao risco da população em geral”, pode ler-se.

Outro dado a reter da monitorização feita pelo INSA e pela DGS prende-se com o valor do rácio de transmissibilidade da doença, que apresenta “valores inferiores a 1 a nível nacional (0,98) e nas várias regiões de saúde do continente, com exceção da região do Norte (1,07)”.

Na média dos últimos cinco dias, o relatório indica uma “tendência decrescente” e a baliza dos 60 casos por 100 mil habitantes - abaixo da qual as medidas de confinamento podem ser aliviadas - poderá ser atingida “no prazo de um a dois meses”.

Igualmente decrescente é a tendência do número diário de casos de Covid-19 internados nos cuidados intensivos: “no continente, a tendência é ligeiramente decrescente a estável, encontrando-se abaixo do valor crítico definido” de 245 camas ocupadas.

Estirpe britânica representa 82,9% das infeções em Portugal

No que toca aos rastreios realizados, o relatório indica que “a proporção de testes positivos para SARS-CoV-2 em Portugal foi de 1,3%, valor que se mantém abaixo do objetivo definido de 4%”, sendo que, na última semana, foi observado um aumento do número de testes realizados.

De acordo com dados recolhidos em março, estima-se que a variante B.1.1.7, com origem no Reino Unido, seja, atualmente, responsável por 82,9% dos casos de infeção por Covid-19 em Portugal.

A nota acrescenta que “foram identificados 54 casos da variante B.1.351 (associada à África do Sul), cuja prevalência estimada em março, com base na sequenciação, foi de 2,5%”.

Já a estirpe P.1, associada a Manaus, no Brasil, foi responsável por 29 casos confirmados, numa prevalência estimada de 0,4% no mês de março.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+