Tempo
|
A+ / A-

47 anos

25 de abril. Desfile comemorativo regressa à Avenida da Liberdade, seguindo regras da DGS

20 abr, 2021 - 21:03 • Redação com Lusa

Comissão organizadora esteve nas últimas semanas em contacto com as autoridades, nomeadamente a Direção-Geral da Saúde (DGS), a Polícia de Segurança Pública (PSP) e a Câmara Municipal de Lisboa para acertar pormenores, tendo recebido esta terça-feira 'luz verde' para avançar.

A+ / A-

O tradicional desfile comemorativo do 25 de Abril de 1974 vai regressar à Avenida da Liberdade, mas com algumas regras definidas pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

A informação foi confirmada esta terça-feira à noite à Renascença pela própria DGS.

"No parecer que hoje enviou á Comissão Organizadora do evento, a DGS diz que, tendo em conta a garantia dada de que haverá um cumprimento escrupuloso de todas as normas de segurança, estão criadas as condições para a viabilização do evento", pode ler-se no esclarecimento remetido à Renascença.

No mesmo documento, a DGS recorda todas as medidas de prevenção que devem ser respeitadas, "remetendo a sua articulação com as forças de segurança".

O presidente da Associação 25 de Abril, o coronel Vasco Lourenço, uma das entidades que constitui a comissão promotora do desfile - que em 2020 não se realizou por causa do contexto sanitário causado pelo novo coronavírus - disse que será divulgado um comunicado com mais detalhes sobre estas regras e a forma como será realizado o desfile de sábado em contexto pandémico.

A 6 de abril, em declarações à Lusa, o responsável adiantou que o desfile poderia ter um trajeto ligeiramente mais curto do que o habitual, terminando nos Restauradores ao invés do Rossio, como é tradicional, uma vez que naquela zona o caminho pode "estreitar" e a manutenção das regras de segurança "seriam mais complicadas", explicou.

Na altura, Vasco Lourenço referiu que PS, PCP, Bloco de Esquerda, Partido Ecologista "Os Verdes" e Livre bem como a CGTP (Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses - Intersindical Nacional), que integram a comissão, mostraram vontade de realizar o desfile, dentro das regras estabelecidas.

"Quando foi tomada a decisão, só houve uma associação que se manifestou, dizendo que por eles, porque são essencialmente já de idade avançada, não iriam participar no desfile, ainda que apoiem todas as outras iniciativas que se façam", continuou o responsável referindo-se à Associação de Aposentados, Pensionistas e Reformados (APRE).

Depois disso, disse, a UGT (União Geral de Trabalhadores) também "fez saber aos membros da comissão promotora que não participaria no desfile porque considera que não há condições".

Para além do desfile, a Assembleia da República vai repetir este ano na sessão solene comemorativa do 47º aniversário do 25 de Abril de 1974 o modelo restritivo de presenças que foi adotado no passado por causa da epidemia de Covid-19.

A associação 25 de Abril vai ser representada nesta sessão solene pelos três presidentes dos órgãos sociais nomeadamente, o presidente da direção, coronel Vasco Lourenço, o presidente da Assembleia Geral, almirante Artur Junqueiro Sarmento e o responsável pelo Conselho Fiscal, general Luís Augusto Sequeira, que marcou presença na cerimónia do ano passado.

Em 2020, os 46 anos do 25 de Abril foram celebrados de forma diferente, sem desfile e com uma sessão solene reduzida no Parlamento. A decisão de manter a sessão solene na Assembleia da República em pleno estado de emergência gerou polémica, dentro e fora do Parlamento, com duas petições 'online', uma pelo cancelamento e outra a favor da sessão solene, a juntarem centenas de milhares de assinaturas.

[notícia atualizada às 23h17]

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+