Tempo
|
A+ / A-

25 de abril

Associação 25 de Abril alerta os “novos inimigos que, traiçoeiros, vão surgindo”

19 abr, 2021 - 23:50 • Lusa

Associação apela às gerações mais jovens que recusem o “agravamento das desigualdades” e exige "autoridade moral” aos responsáveis políticos, o que não pode acontecer quando há corrupção.

A+ / A-

A associação 25 de Abril defendeu esta segunda-feira ser preciso travar as desigualdades existentes em Portugal, considerando que, para isso, é imprescindível combater a desinformação e demagogias populistas e criminalizar a corrupção de responsáveis políticos.

Numa mensagem divulgada a seis dias da comemoração do 25 de Abril de 1974, a associação pede aos portugueses, e sobretudo “às gerações mais novas”, que recusem o “agravamento das desigualdades” e a “escandalosa má distribuição da mais-valia produzida” que a pandemia de Covid-19 acentuou “sob pena de caminharmos para graves e devastadores conflitos”.

Por isso, a 25 de Abril lembra que “a recuperação e reconstrução não poderão nunca acentuar essas desigualdades, mas antes ser o caminho para a concretização dos sonhos de Abril”.

Para o conseguir, defende, “teremos de ter coragem para enfrentar as campanhas de desinformação, de manipulação, de mentira, de demagogias populistas que procuram vender, agora como no passado, um mundo idílico a pensar na conquista do poder, que lhes permita impor os seus desígnios, sempre, como a História nos ensina, através de regimes fortemente opressivos que rapidamente esquecem os valores por si apregoados”.

A associação refere ainda que, “para que a luta saia vitoriosa, os responsáveis políticos têm de ter autoridade moral”, o que não pode acontecer quando há corrupção.

“É tempo de lhe pormos termo [à corrupção], de a criminalizar. É tempo de a honestidade passar a ser norma e não exceção”, afirma na mensagem relativa ao 47º. aniversário da “Revolução dos Cravos”.

“Estamos prestes a ultrapassar a idade da longa noite escura, em que os ditadores suprimiram as liberdades aos portugueses, os oprimiram e asfixiaram, lhes impuseram uma guerra e os transformaram num dos povos mais infelizes da Europa ocidental”, recorda a 25 de Abril, referindo que, nos últimos 47 anos, houve “altos e baixos”.

No entanto, considera, os “valores de abril” nunca deverão deixar de ser cultivados, sobretudo face aos “novos inimigos que, traiçoeiros, vão surgindo”.

“Os mais frágeis estão cada vez mais desprotegidos enquanto a riqueza cada vez mais se concentra nas mãos de poucos. A escandalosa má distribuição da mais valia produzida tem de ser alterada radicalmente”, sublinha a associação, acrescentando que “os tempos são de resistência e de luta, mas também de esperança num futuro melhor”.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+