A+ / A-

Covid-19

AstraZeneca. Graça Freitas transmite "calma e confiança" a quem aguarda segunda dose

08 abr, 2021 - 20:15 • Redação com Lusa

“Entre a primeira e a segunda dose, decorrem cerca de três meses. Esta vacina tem um intervalo entre doses que é grande. Nestes três meses vamos ter informação adicional e agiremos em conformidade”, assegurou a diretora-geral da Saúde.

A+ / A-

Veja também:



A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, deixou esta quinta-feira uma mensagem de tranquilidade em relação à toma da segunda dose da vacina contra a Covid-19 para quem recebeu o imunizante da AstraZeneca.

Na conferência de imprensa desta quinta-feira no Infarmed, para dar conta da atualização dos procedimentos relacionados com a vacina da farmacêutica anglo-sueca, Graça Freitas considerou que quem já recebeu a primeira toma deve manter-se também “calmo e confiante”.

“Entre a primeira e a segunda dose, decorrem cerca de três meses. Esta vacina tem um intervalo entre doses que é grande. Nestes três meses vamos ter informação adicional, quer da firma produtora, quer da Agência Europeia do Medicamento (EMA), e agiremos em conformidade”, assegurou Graça Freitas.

Vários países já decidiram, entretanto, traçar limites e não administrar a vacina da AstraZeneca abaixo de certas idades por uma questão de segurança: 30 anos no Reino Unido, 55 anos em França, Bélgica e Canadá, 60 anos na Alemanha, Itália e nos Países Baixos ou 65 anos na Suécia e na Finlândia.

Também esta quinta-feira, a Austrália e as Filipinas juntaram-se à lista de países que estão a suspender a administração da vacina contra a doença covid-19 da AstraZeneca à população mais jovem, devido a preocupações relativamente à formação de coágulos sanguíneos.

Na quarta-feira, a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) indicou uma “possível ligação” entre a vacina da farmacêutica AstraZeneca e “casos muito raros” de formação de coágulos sanguíneos, mas insistiu nos benefícios do fármaco face aos riscos de efeitos secundários, dada a gravidade da pandemia.

No mesmo dia, a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou que essa ligação é “plausível, mas não confirmada”, considerando que são necessários estudos especializados.

No final de março, a vacina da farmacêutica AstraZeneca contra a Covid-19 passou a denominar-se Vaxzevria.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria
    09 abr, 2021 Palmela 00:11
    Calma onde e que se compra isso,?

Destaques V+