Tempo
|
A+ / A-

Infarmed não recomenda medicamento para sarna e piolhos no tratamento Covid-19

11 mar, 2021 - 13:22 • Lusa

Em causa está o fármaco antiparasitário ivermectina. Infarmed esclarece que ainda dúvidas quanto à dose adequada e à segurança.

A+ / A-

Veja também:


O Infarmed alerta que não existem provas que apoiem a utilização da ivermectina, um antiparasitário usado no tratamento da escabiose (sarna) e da pediculose (piolhos), na profilaxia e tratamento da covid-19.

Numa nota divulgada no "site", a Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde lembra que têm vindo a ser publicados vários estudos que analisam o potencial recurso à ivermectina no contexto da covid-19, mas que há ainda dúvidas quanto à dose adequada e à segurança.

O Infarmed diz que analisou os artigos e publicações disponíveis e avisa que, à data, "dadas as limitações metodológicas nos ensaios em que a ivermectina foi utilizada e as dúvidas quanto à dose adequada e sua segurança no âmbito da infeção causada pelo SARS-CoV-2, não existem evidências (provas) que apoiem a utilização deste medicamento na profilaxia e tratamento da covid-19".

Os medicamentos contendo ivermectina atuam como antiparasitários no tratamento da filariose, estrongiloidose e escabiose, e profilaxia da recidiva da estrongiloidíase (infeção intestinal) e na escabiose persistente ou escabiose.

Na semana passada, o jornal Expresso noticiou que médicos portugueses estariam a tomar e a receitar contra a covid-19 este antiparasitário e que eram já centenas os doentes tratados com ivermectina.

O Expresso escrevia que a terapêutica não está aprovada nem é recomendada contra a nova infeção por nenhuma autoridade de saúde e que a toma é aceite "por livre vontade", dando conta ainda de um "número crescente de prescrições".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+