Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Eutanásia. Juristas católicos pedem ao Presidente a fiscalização preventiva da lei

01 fev, 2021 - 11:12 • Lusa

O parlamento aprovou na passada sexta-feira a despenalização da morte medicamente assistida.

A+ / A-

A Associação dos Juristas Católicos apelou ao Presidente da República para pedir a fiscalização preventiva da constitucionalidade da legalização da eutanásia e do suicídio assistido ao Tribunal Constitucional, considerando que a lei "viola claramente os mais basilares princípios constitucionais".

Numa carta enviada a Marcelo Rebelo de Sousa, a associação justifica a sua posição com o artigo 1.º da Constituição da República que elege como valor supremo a respeitar a dignidade da pessoa humana, "e essa dignidade é um valor que resulta só do facto de se ser pessoa humana, sem mais".

"A pessoa é a sua vida e por isso é que a proteção da dignidade de todas e cada uma das pessoas pressupõe, antes de mais nada, a proteção das respetivas vidas. Em termos radicais (excetuadas as situações de legítima defesa, em que continua a estar sempre em causa a proteção da vida humana)", lê-se na missiva.

O parlamento aprovou na sexta-feira a despenalização da morte medicamente assistida e, se o Presidente promulgar e a lei entrar em vigor, Portugal será o quarto país na Europa, e o sétimo no mundo, a legalizar a eutanásia.

A lei prevê que pode pedir a morte medicamente assistida, ou eutanásia, uma pessoa "maior, cuja vontade seja atual e reiterada, séria, livre e esclarecida, em situação de sofrimento intolerável, com lesão definitiva de gravidade extrema de acordo com o consenso científico ou doença incurável e fatal".

Entre os argumentos apresentados contra a lei, a associação considera que a legalização da eutanásia e do suicídio assistido viola o princípio e a garantia da inviolabilidade da vida humana e os princípios da dignidade humana.

"Da conjugação desses princípios decorre que todas as vidas, em todas as situações e em todas as suas fases, são igualmente dignas. A dignidade da vida nunca se perde. Não há vidas indignas de ser vividas. Não há vidas que por qualquer motivo deixem de merecer a mesma proteção. E a supressão da vida nunca pode ser entendida, obviamente, como medida de proteção", sustentam os juristas católicos.

Tópicos
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    01 fev, 2021 Madeira 18:32
    Além da Constituição, a morte assistida não considero um ato médico. Se o é, então acabem com o juramento feito pelos médicos, que dizem tudo fazer pela vida dos doentes. Muitos médicos deviam ter vergonha por embarcar nestas loucuras. Bons tratamentos, com calor humano e boa medicação. Matar é mais fácil...

Destaques V+