Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Eutanásia

Instituições de saúde e de solidariedade condenam aprovação da eutanásia

28 jan, 2021 - 07:00 • Eunice Lourenço

Manifesto junta 12 entidades privadas e do setor social, entre as quais estão a Caritas, a CNIS e o grupo Cuf.

A+ / A-

É um apelo ao Parlamento e ao Presidente da República. Entidades do setor social e entidades privadas juntaram-se num manifesto contra a eutanásia em que criticam a aprovação da lei de despenalização da morte assistida, prevista para sexta-feira, dia 29, e se comprometem a cuidar de todos os que sofrem e precisam de cuidados especiais.

“Apelamos uma última vez aos deputados para que revejam a sua posição no momento de votar a lei em plenário e, se estes persistirem nos seus intentos, ao Senhor Presidente da República para que faça o que estiver ao seu alcance para travar a legalização da eutanásia em Portugal”, escrevem num manifesto que junta a União das Misericórdias e a Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade (CNIS), que juntas são responsáveis pela maioria dos lares em Portugal.

O manifesto junta também a Caritas Portuguesa, a Universidade Católica e o grupo Cuf. O Instituto das Irmãs Hospitaleiras e o Instituto São João de Deus, que se dedicam aos doentes mentais são outros dois subscritores deste manifesto que também agrega entidades dedicadas à infância e juventude como o Refúgio Aboim Ascensão e a Casa do Gaiato de Lisboa. Acresce ainda à lista de subscritores a FamiliarMente, Federação Portuguesa das Associações das Famílias de Pessoas com Experiência de Doença Mental e o Apoio à Vida – Associação de Solidariedade Social.

“Numa hora sombria da história de Portugal, quando o país regista desde há duas semanas mais de duas centenas de mortes por dia, vítimas de Covid-19, no momento em que todos temos a responsabilidade de salvar vidas e de cuidar de vidas, na Assembleia da República, casa da representação democrática, um grupo maioritário de deputados fez aprovar em sede de Comissão Parlamentar de Direitos Liberdades e Garantias uma lei da Eutanásia a que dão o nome de ‘Antecipação da morte medicamente assistida”, começam por dizer os subscritores.

“Num momento em que milhares de pessoas, inúmeras instituições, num esforço sobre-humano diário, cuidam os doentes e pessoas vulneráveis e frágeis, dando tudo para salvar vidas, a aprovação da Eutanásia representa, também, um desrespeito para com todas estas pessoas”, continua o manifesto, lembrando que a lei contraria “os pareceres de ordens profissionais do sector da saúde, do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida”. E também a voz de “milhares de cidadãos e de várias entidades da sociedade civil que fizeram chegar a sua voz junto dos senhores deputados”.

Sendo assim, num momento que consideram “triste para os portugueses” estas entidade não só criticam a aprovação da lei como se comprometem a “defender a vida em todas as suas formas e etapas”. “As nossas portas estarão sempre abertas para todos os que queiram cuidar a vida”, concluem.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joaquim Santos
    28 jan, 2021 Tojal 10:26
    A melhor forma de comemorar AUSCHWITZ!

Destaques V+