Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

explicador

Eutanásia aprovada no parlamento. Presidente não pode impedir

29 jan, 2021 - 16:08 • Eunice Lourenço

As vozes dos que estão contra este processo voltam-se agora para Belém. Contudo, o Presidente da República não pode travar a lei, ou seja, não pode impedi-la de entrar em vigor. Só o Tribunal Constitucional poderá se for chamado a analisar o diploma e se pronunciar pela inconstitucionalidade.

A+ / A-

Com a legalização da eutanásia aprovada em votação final global, a única dúvida agora é se terá promulgação direta ou não.

As vozes dos que estão contra este processo voltam-se agora para Belém. Contudo, o Presidente da República não pode travar a lei, ou seja, não pode impedi-la de entrar em vigor. Só o Tribunal Constitucional poderá se for chamado a analisar o diploma e se pronunciar pela inconstitucionalidade.

Que opções tem o Presidente?

O Presidente pode promulgar, vetar ou enviar para o Tribunal Constitucional para fiscalização preventiva. Marcelo Rebelo de Sousa recusou várias vezes dizer o que fará, argumentando que não se podia pronunciar sobre um diploma que ainda estava no Parlamento.

Então, o Presidente pode impedir que a lei entre em vigor?

Não. Quando muito pode adiar. Se o Presidente usar o veto político - que consiste em reenviar a lei para o Parlamento, com ou sem mensagem a justificar o seu veto -, a Assembleia da República pode voltar a aprovar a lei tal e qual e, nesse caso, o Presidente é obrigado a promulgar. Se o Parlamento alterar o diploma depois do veto, o Presidente ainda pode voltar a vetar.

Contudo, Marcelo Rebelo de Sousa não tem intenção de usar o veto político nesta matéria. “O veto político não será uma afirmação de posições pessoais”, disse o Presidente, em maio de 2018, em entrevista à Renascença e ao Público, quando questionado sobre este assunto.

Uma votação expressiva como a que decorreu esta sexta-feira pode levar, portanto, a uma promulgação direta por parte do Presidente, a não ser que encontre algum problema legal no diploma. A lei foi aprovada por maioria absoluta dos deputados, conseguindo ainda mais votos a favor e menos votos contra que na votação na generalidade, há quase um ano. Na votação na generalidade, projeto mais votado tinha sido o do PS com 127 votos a favor, 14 abstenções e 86 votos contra. Agora, a versão final que resultou dos cinco projetos iniciais foi aprovada com 136 votos a favor, quatro abstenções e 78 votos contra.

Quando é que o Presidente tem de decidir?

Depende da data em que o diploma chegue a Belém. A lei só deve ser enviada para o Presidente no fim da próxima semana. Depois, Marcelo tem oito dias para decidir se a envia para o Tribunal Constitucional. Não enviando, tem 20 dias para decidir se promulga ou veta. Ou seja, até ao fim de fevereiro haverá decisão.

E o Tribunal Constitucional?

Se o Tribunal Constitucional considerar que a lei é inconstitucional, o Parlamento terá de alterar a lei com base nas recomendações dos juízes. Contudo, haverá poucas hipóteses de isso acontecer. Segundo fontes contactadas pela Renascença, a maioria dos juízes será favorável ao entendimento de que a eutanásia não representa um problema de constitucionalidade. O atual presidente do Tribunal Constitucional, Costa Andrade, manifestou esse entendimento quando foi ouvido no Parlamento na anterior legislatura, antes de presidir àquele órgão.

Em causa, para quem defende a inconstitucionalidade da eutanásia, está o artigo 24.º da lei fundamental, que garante o direito à vida. O número 1 desse artigo diz “A vida humana é inviolável” e o número 2 garante que “em caso algum haverá pena de morte”.

Só o Presidente é que pode mandar para o Tribunal Constitucional?

Não. Mas só o Presidente é que pode pedir a fiscalização preventiva, ou seja a fiscalização antes de a lei entrar em vigor. Os deputados também podem pedir fiscalização constitucional, desde que o requerimento seja assinado por 23 parlamentares (um décimo do número total de deputados), mas só depois de a lei entrar em vigor. Chama-se fiscalização sucessiva. Na anterior legislatura, por duas vezes grupos de deputados pediram fiscalização sucessiva de leis que o Presidente não enviou para o Tribunal Constitucional e conseguiram que os juízes lhes dessem razão: nas normas sobre gestação de substituição (vulgarmente conhecida por lei das “barrigas de aluguer”) e na legislação sobre o acesso a metadados.

Quanto tempo demora o Tribunal Constitucional a decidir?

Se for fiscalização preventiva o prazo é de 25 dias, a não ser que o Presidente peça urgência. Para a fiscalização sucessiva, não há prazo definido.

Aprovada legalização da eutanásia em Portugal
Aprovada legalização da eutanásia em Portugal. Veja as reações dos partidos
Tópicos
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Vítor Prata
    29 jan, 2021 Lisboa 21:11
    Claro que o diploma não entra em vigor se o PR suscitar a sua fiscalização preventiva e enquanto o TC não se pronunciar pela sua constitucionalidade. Se este tribunal considerar que a norma que permite a eutanásia é inconstitucionais, não entra mesmo em vigor. O título desta notícia é falacioso. . O PR poderá, no entanto, promulgar e suscitar a fiscalização sucessiva do mesmo.
  • Filipe
    29 jan, 2021 évora 18:11
    A eutanásia sempre existiu disfarçada em suicídio , qualquer pessoas pode matar-se por vontade própria , não é crime pois morreu o arguido . Mas esta legalização serve agora a terceiros interessados ficarem mais descansados com o destino das heranças milionárias , fomentando eles o suicídio contra a vontade do próprio , pois está legalizado .

Destaques V+