A+ / A-

Pais das vítimas do Meco podem apresentar queixa-crime contra procurador

22 ago, 2014 - 09:55

Em causa estão alegadas contradições no processo, que foi arquivado sem arguidos constituídos.

A+ / A-

Os pais dos seis estudantes que morreram na praia Meco acusam o Ministério Público de não dizer a verdade no despacho de arquivamento, pelo que ponderam apresentar uma queixa contra o procurador que arquivou o processo sem arguidos constituídos.



A informação foi avançada pela TVI e confirmada à Renascença pelo advogado das famílias. Vítor Parente Ribeiro afirmou que os pais "pediram, esta quinta-feira, um esclarecimento à Procuradoria-Geral da República e exigem uma retractação" e que admitem "avançar com outro tipo de medidas, nomeadamente uma queixa-crime".



Em causa, alega Vítor Parente Ribeiro, estão contradições entre as declarações do médico que assistiu o único sobrevivente, João Gouveia, e aquilo que ficou registado no despacho da Procuradoria.



"O médico em causa disse que, na análise que fez do paciente, e tendo em conta as décadas de experiencia médica, nomeadamente em situações de pré-afogamento, entendeu que, naquele caso, a mera auscultação, e os sinais que daí obteve, permitiu-lhe imediatamente dizer que não era necessário fazer mais nenhum exame", argumenta.

Por outro lado, acusa o advogado, "o procurador vem dizer, no seu despacho, que o médico assumiu que violou as boas práticas, o que é manifestamente falso. Isto é gravíssimo”.



Factos por apurar
A análise médica pretendia apurar se João Gouveia esteve ou não numa situação de pré-afogamento ou se esteve, afinal, numa zona segura, levantando a questão sobre se o estudante poderá ter ou não alguma responsabilidade criminal no incidente.



Quando foi ouvido pela primeira vez, o médico da urgência disse que João Gouveia se queixou de dores de cabeça, pelo que o medicou com paracetamol. Na reinquirição, voltou a explicar que o medicou da mesma forma e que entendeu que a auscultação do corpo seria suficiente.



No despacho de arquivamento, o procurador diz que os profissionais de saúde que socorreram o sobrevivente na praia denunciaram a incorrecta actuação do médico de urgência que, por seu lado, admitiu também que não cumpriu as boas práticas.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+