Tempo
|
A+ / A-

Ensino Superior

Número de estudantes portugueses Erasmus cai 70% este ano

07 out, 2020 - 07:05 • Fábio Monteiro

Apenas 1.509 estudantes portugueses rumaram este ano a outros países europeus, segundo dados da Agência Nacional Erasmus – Educação e Formação. Número de jovens estrangeiros acolhidos por universidades nacionais também registou uma quebra. Entre 2014 e 2019, Portugal acolheu 58.061 estudantes Erasmus.

A+ / A-

A Covid-19 colocou um travão na circulação de estudantes do Ensino Superior pela Europa. Se em setembro do ano passado 5.192 portugueses saíram do país ao abrigo do programa Erasmus – para frequentar uma faculdade estrangeira ou realizar um estágio –, este ano esse número caiu acentuadamente: apenas 1.509 estudantes – ou seja, menos 70,9% que em 2019 - rumaram a outros países europeus.

Por sua vez, o número de estudantes estrangeiros acolhidos pelas universidades nacionais, durante o primeiro semestre do corrente ano letivo, também registou uma quebra. Em 2019, 8.480 estudantes estrangeiros – 7.840 SMS (Student Mobility for Studies) Estudos e 640 SMT (Student Mobility for Trainneships) Estágios – chegaram, em setembro, a Portugal. Já este ano, o número ficou-se pelos 5.199 estudantes – 4.895 SMS e 304 SMT -, menos 33,6% que no ano passado.

Os dados, cedidos à Renascença pela Agência Nacional Erasmus – Educação e Formação, são ainda parciais – está em falta a resposta de cerca de 30% das instituições de Ensino Superior -, mas o impacto da pandemia é já visível. Entre 2014 e 2019, Portugal acolheu 58.061 estudantes Erasmus – 53.326 SMS e 4.735 SMT.

“Muitos estudantes estavam com medo de vir de Erasmus por não conhecerem ninguém, por causa da pandemia. Tem sido realmente um desafio. Mas, por enquanto está a correr bem, melhor do que esperávamos”, diz Rita Dias, presidente da Erasmus Student Network - Lisboa.

A ESN – Lisboa ainda não tem números oficiais para 2020, mas, tendo em conta os cartões de associados que vende aos estudantes estrangeiros, Rita Dias indica que a organização conta, neste momento, com “mais ou menos com um terço dos estudantes” que teria num ano normal. “Estávamos à espera de uma quebra ainda maior”, assume a responsável, apesar de ressalvar que Lisboa pode não ser exemplo, por comparação com outras secções da ESN espalhadas pelo país.

Devido à Covid-19, algumas faculdades nacionais optaram mesmo por cancelar os programas de mobilidade – tanto para os estudantes nacionais como para os estrangeiros. Houve também muitos estudantes que optaram por adiar o Erasmus para a primavera de 2021. “Sei que houve muitos estudantes internacionais que preferiram vir só no segundo semestre, que alteraram a mobilidade para o segundo semestre”, conta Rita Dias.

Uma mudança “enorme”

Živilė Latakaitė mudou-se da Lituânia para Portugal em setembro de 2019 para ingressar no Mestrado em Gestão de Recursos Humanos e Consultadoria Organizacional no ISCTE, em Lisboa. Passado um ano, e com uma pandemia pelo meio, faltam-lhe palavras para descrever a transformação do antes para o depois e durante a Covid-19. “Enorme”, “drástica”, “dramática”, diz.

“[A mudança] nota-se principalmente em eventos sociais. Desde março, os bares e discotecas fecharam. Agora, as pessoas estão à procura de outras formas de desfrutar mais da experiência de estar fora do país, mas é difícil”, explica.

A jovem de 25 anos conheceu Lisboa antes da pandemia, fez vida de estudante de Erasmus. Em março, com os primeiros casos do novo coronavírus em Portugal, regressou à Lituânia, mas, logo em maio, voltou para Lisboa.

Por estes dias, a faculdade está “menos divertida”, “há menos interação social”. Alguns colegas de turma chineses foram embora há alguns meses e não regressaram.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+