Tempo
|
A+ / A-

Pedrógão Grande

Associação das Vítimas de Pedrógão Grande teme que tragédia se repita

09 set, 2020 - 20:41 • Lusa

Dina Duarte esteve no Parlamento, na comissão de Inquérito Parlamentar sobre os apoios na sequência dos incêndios de 2017.

A+ / A-

A presidente da Associação das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande disse esta quarta-feira que não "vive descansada" por temer que se volte a repetir a tragédia de 17 de junho de 2017, que provocou 66 vítimas mortais.

"Não vivo descansada a cada dia que passa porque sei que, eventualmente, poderá existir outro 17 de junho na minha vida ou de outras pessoas", disse Dina Duarte na comissão eventual de Inquérito Parlamentar à atuação do Estado na atribuição de apoios na sequência dos incêndios de 2017 na zona do Pinhal Interior, na Assembleia da República.

O incêndio que deflagrou em 17 de junho de 2017 em Pedrógão Grande alastrou aos concelhos vizinhos, com maior intensidade em Castanheira de Pera e Figueiró dos Vinhos, e provocou 66 mortos e 254 feridos, destruindo meio milhar de casas e 50 empresas.

Ouvida na tarde desta quarta-feira a requerimento dos grupos parlamentares do PS e do CDS-PP, a dirigente defendeu uma mudança de mentalidades, através da educação, para se começar a alterar o tipo de floresta em Portugal, nomeadamente a monocultura.

Segundo Dina Duarte, "temos de pensar diferente, uma solução diferente em termos florestais, porque não vivo numa floresta, vivo numa monocultura, que não me dá segurança nenhuma, nem a mim nem aos meus vizinhos".

"É difícil deixar de ter eucalipto porque não temos capacidade económica para arrancar as cepas e porque não há capacidade económica do Estado para arrancar as cepas que estão à beira das estradas, dentro dos 10 ou dos 20 metros para cada lado", frisou em resposta ao deputado João Almeida do CDS-PP.

A presidente da Associação das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande considera que mudar mentalidades "é muito difícil", mas que esse é o caminho para se abandonar "uma imensa monocultura, que não dá segurança nenhuma".

"Há pessoas que perderam familiares [no incêndio de 17 de junho de 2017] e continuam a plantar eucaliptos perto de casa", lamentou Dina Duarte, dizendo-se triste por perceber que "as mentalidades não mudaram” e que estão todos à espera “que venha outro incêndio, porque vai voltar a acontecer".

"Para mim é muito triste viver numa zona ou num país em que se pensa que todos os anos tem de haver um incêndio", acrescentou a dirigente, criticando o inconformismo que acabou por se estabelecer após a tragédia de junho de 2017.

Salientando que tem existido "algum trabalho" na limpeza de bermas e faixas de proteção, a presidente da Associação das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande questiona se é "solução andar-se permanentemente a limpar".

Dina Duarte interroga-se se existe capacidade económica de um país como Portugal para limpar "todas as bermas de todas as estradas" e se é solução um privado "limpar três, quatro vezes o mesmo terreno e continuar a tê-lo sujo" e sujeito a arder se houver um incêndio.

"Tem-se limpo alguma coisa. Em junho limparam e, em setembro, três ou quatro meses volvidos, precisa de ser limpo outra vez", sublinhou a dirigente associativa, que, na audição parlamentar, também se mostrou abalada pelas suspeições levantadas a propósito da reconstrução das habitações no território afetado.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+