Tempo
|
A+ / A-

Grande Loja Feminina de Portugal

Mulheres da maçonaria preocupadas com episódios de racismo em Portugal, "uma ameaça aos valores humanistas"

16 ago, 2020 - 20:26 • Redação com Lusa

A única obediência maçónica portuguesa exclusivamente feminina declara-se "contra qualquer tipo de violência que ponha em causa a liberdade individual".

A+ / A-

A Grande Loja Feminina de Portugal (GLFP) mostrou-se este domingo preocupada com “o aparecimento de ocorrências de natureza racista, cada vez mais insidiosas” em Portugal, associando-se “a todos os que veem no racismo uma ameaça aos valores humanistas”.

“O aparecimento de ocorrências de natureza racista, cada vez mais insidiosas, que nesta semana culminaram com a ameaça a individualidades portuguesas, entre elas deputadas da Nação, preocupa sobremaneira a nossa Obediência, porque vai contra os princípios que defendemos”, refere a única obediência maçónica portuguesa exclusivamente feminina, num comunicado divulgado pela agência Lusa.

Esta semana, três deputadas e sete ativistas foram alvo de ameaças por uma autoproclamada “Nova Ordem de Avis – Resistência Nacional”, que reivindicou também uma ação junto à associação SOS Racismo.

Na quinta-feira, o Ministério Público instaurou um inquérito-crime, um dia depois de o dirigente da SOS Racismo Mamadou Ba ter prestado declarações na Polícia Judiciária e ter confirmado a receção, juntamente com mais nove pessoas, de uma mensagem de correio eletrónico a estipular o prazo de 48 horas para abandonar o país.

A GLFP considera “estes acontecimentos como a manifestação de uma ideologia, que não respeita a Declaração dos Direitos Humanos, em que a sociedade portuguesa tem querido viver e conviver”.

“A Grande Loja Feminina de Portugal vem associar-se a todos os que veem no racismo uma ameaça aos valores humanistas, que nos unem e definem. Somos contra qualquer tipo de violência que ponha em causa a liberdade individual, somos contra a linguagem que evidencia e promove a violência contra a humanidade”, lê-se no comunicado.

As mulheres que fazem parte da GLFP salientam estarem “solidárias com todas e todos que se sentem ameaçados com gestos racistas que aliás estão bem repudiados na lei constitucional” portuguesa.

Hoje à tarde, centenas de pessoas manifestaram-se em Lisboa, no Largo Camões, contra o fascismo, o racismo e pela liberdade e direitos cívicos, num protesto que quem lá estava disse ser necessário pelo crescente à-vontade com que a extrema-direita se sente para cometer crimes.

No Porto, foram cerca de trezentas as pessoas que participaram, também durante a tarde de hoje, numa concentração contra “tentativas de intimidação” a três deputadas e a sete ativistas antifascistas e antirracistas.

Entre os manifestantes concentrados no Porto encontrava-se Luís Lisboa, coordenador do núcleo de Guimarães da Frente Unitária Antifascista (FUA), um dos primeiros ativistas a formalizar queixa-crime pelas ameaças que recebeu e que disse encontrar-se já sob proteção policial.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • mew
    17 ago, 2020 \ 12:37
    m'espanto às vezes, outras m'avergonho. Escreveu Francisco de Sá de Miranda. A RR, católica, a dar relevo à maçonaria?

Destaques V+