Tempo
|
A+ / A-

Cerca de 50 jornais avançaram para "lay-off"

24 abr, 2020 - 18:35 • Lusa

Presidente da Associação Portuguesa de Imprensa foi recebido por Marcelo Rebelo de Sousa para dar conta das dificuldades do setor.

A+ / A-

Veja também:


O presidente da Associação Portuguesa de Imprensa (APImprensa), João Palmeiro, afirmou esta sexta-feira que cerca de 50 jornais avançaram para "lay-off", enquanto a Associação de Imprensa de Inspiração Cristã (AIC) apontou que cerca de "30 jornais" deixaram de imprimir.

As duas associações estiveram reunidas com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que durante a tarde está a manter reuniões com o sindicato e entidades representativas dos media, no âmbito do impacto da pandemia de Covid-19 no setor.

João Palmeiro foi dizer ao Presidente da República o que a associação tenciona fazer "uma vez terminada a compra de publicidade" anunciada há uma semana pelo Governo – o Estado vai alocar 15 milhões de euros na compra antecipada de publicidade institucional.

"Vamos sentar com o Governo, ver que níveis de apoio é possível tendo no horizonte o Orçamento do Estado retificativo ou o a seguir", para 2021, afirmou o presidente da APImprensa.

Questionado sobre a imprensa regional, no âmbito da crise provocada pela pandemia do novo coronavírus, Palmeiro apontou que aquela é "constituída por pessoas de grande resiliência".

No entanto, disse ter tido conhecimento de "que fecharam alguns jornais" porque "não tinham dinheiro".

Quanto aos jornais que têm pessoas em "lay-off" (que prevê redução de horário ou suspensão do contrato), "temos uma amostragem de cerca de 50 jornais" com trabalhadores com diferentes tipos de "lay-off", sobretudo no pessoal administrativo e comercial, adiantou.

Entre as empresas de media que estão neste momento em processo de "lay-off" conta-se a Global Media (dona do Diário de Notícias, Jornal de Notícias, TSF, entre outros), o Jornal Económico (que tem como acionista o grupo Bel, que fez uma proposta para a compra da dona da TVI), A Bola (medida aplicada na redação do Porto) e o grupo Impala (Nova Gente, TV7 Dias, entre outros).

Por sua vez, o presidente da AIC, Paulo Ribeiro, referiu que muitos "jornais migraram só para o digital", tendo em conta a drástica queda da publicidade.

Questionado sobre quantos, o responsável disse serem "à volta de 30 jornais que deixaram de imprimir", deixaram de fazer a edição impressa.

E os títulos que continuam a imprimir, diminuíram a tiragem e o número de páginas, acrescentou, devido à incapacidade de suportar os custos de edição.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+