Tempo
|
A+ / A-

Graça Freitas apela à vacinação para evitar novos surtos de doenças

14 abr, 2020 - 14:50 • João Carlos Malta

A diretora-geral da Saúde faz um forte apelo a todos os portugueses, em especial aos que têm bebés ao seu cuidado e às grávidas, para não deixarem de se vacinar. Só assim, garante, se evitam novos surtos de doenças como, por exemplo, o sarampo.

A+ / A-

Veja também:


A diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, fez, na conferência de imprensa desta terça-feira, um forte apelo a todos os portugueses sobre a importância de continuar a vacinação do Plano Nacional de Vacinação. Esta recomendação foi dirigida sobretudo aos bebés, mas também às grávidas, mas a responsável da DGS alargou-o a todos os que têm as vacinas em atraso.

Freitas referiu que esta é a forma de controlar e eliminar várias doenças infecciosas. "Já temos uma epidemia. A última coisa que queremos é outro surto de uma doença infecciosa", enfatizou a directora-geral da Saúde.

Em relação aos menores, nos primeiros 12 meses de vida, Graça Freitas disse que ter as vacinas em dia "confere precocemente protecção contra 11 doenças. E depois disso, há um novo conjunto que os protege da meningite e uma vacina "muito importante" contra o sarampo, a papeira e a rubéola.

Para o sarampo não voltar a atacar

Graça Freitas destacou o sarampo, lembrando os surtos na Europa, uma doença que catalogou de "traiçoeira". "Nenhuma criança e nenhum adulto com a vacina do sarampo em atraso deve continuar a tê-la em atraso", reforçou.

Em relação às mulheres grávidas apelou a que estas não deixem de tomar a vacina da tosse convulsa, entre as 28 e 32 semanas de gestação, algo que considerou fundamental para que a saúde do bebé e da mãe.

A mesma responsável reforçou ainda que este apelo é fundamental ser seguido, mesmo numa época em que o país combate a Covid1-9. Por isso, aqueles que têm as vacinas em falta, devem ligar para os locais em que elas podem ser ministradas e "marcar a vacinação". E ainda disse, que mesmo que isso não seja possível, os cidadãos não devem desistir.

"Se não for possível, devem ir presencialmente. Não adie a vacinação, porque senão vacinarmos, podemos ter outro tipo de surtos além da Covid-19", explicou.

Há 200 fábricas que querem produzir máscaras

Em relação ao uso da máscara comunitária, a que a ministra da Saúde, Marta Temido, apelou por parte de toda a população quando terminar o período de confinamento, o secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales informou, hoje, que o Infarmed publicou as especificações técnicas para a produção destas máscaras.

O mesmo acrescentou ainda que mais de 200 empresas já mostraram vontade de produzir. "Algumas começam a produção já esta semana", referiu.

Rui Ivo, presidente do Infarmed, na mesma ocasião, disse "vai ser possível termos algumas máscaras reutilizáveis".

Ivo disse que as fábricas que forem produzir estas máscaras vão ficar responsáveis por disponibilizar também ao consumidor as normas de utilização das mesmas. Estas, acrescentou, poderão ser feitas de algodão e polyester.

No entanto, o alargar a recomendação do uso de máscara à população em geral, não substitui todos os outros cuidados que estavam a ser seguidos até agora.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • VITOR GOMES
    15 abr, 2020 PORTO 09:06
    A Desgraça Feita, que trate das pessoas com fome, sem alimentos, e a morrerem por outros problemas de saúde porque neste momento todos os profissionais de saúde só podem tratar a COVID19.
  • Filipe
    14 abr, 2020 évora 17:41
    Andam a incutir falsidade no uso de máscaras , pois quem está infetado e não sabe , embora use máscara , tem as roupas , ponta dos dedos , cabelos ... etc ... repletos de vírus , pois o vírus nessas partes não morre e transmite-se . É um disparate ouvir todos os dias a comparação que o Bastonário da Ordem dos Médicos faz na sala de operações com a vida diária de um suposto infetado na sua vida de trabalho ou social , não tem o mínimo de cabimento . E , só seria verdade e aceite se as pessoas passem a vestir como nas salas de operações e a utilizarem tudo esterilizado . Uma vergonha em Portugal onde cada qual treina o clube na bancada sentados . Para evitarem ao máximo a contaminação social tem de fechar durante dias ( 15- 20 ) as pessoas em casa e darem conta dos infetados que eventualmente apareçam nesses dias . A quarentena voluntária em Portugal e o Estado de Emergência decretado , tem sido um fracasso . Estamos em 210 países que tem o vírus , sistematicamente nos 15 primeiros pela desgraça do vírus . A continuar assim façam contas , mas com a 4ª classe antiga basta . Média de 500 por dia com estas condições a vigorar hoje , dará 15.000 novos casos por mês . Se esbanjarem como os tais ricos ( carta dos 150 ) querem fazer ... contem com uma subida diária exponencial descontrolada . Os números não enganam , somos pela pior o TOP 15 do pior que se tem feito para combate o vírus : https://www.worldometers.info/coronavirus/#countries

Destaques V+