Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Coronavírus

Volta a Ovar em automóvel para entrega de medicamentos

20 mar, 2020 - 11:10 • Luís Aresta

Apesar das dificuldades para chegar ao munícipio, em cerca sanitária, as farmácias não têm falta de medicamentos.

A+ / A-

A interdição da A29, no troço Ovar Sul - Esmoriz, que abrange todos os nós de acesso ao concelho de Ovar, é um desafio à paciência de quantos, no dia a dia, necessitam de passar a cerca sanitária, criada pela autoridades para conear a Covid-19. É o caso de Carlos Coelho, distribuidor de medicamentos e outros artigos farmacêuticos, que descreve à Renascença o problema com que se deparou na manhã desta sexta-feira.

"Com as saídas da A29 cortadas, tenho de procurar alternativas. O problema é que chego a uma qualquer estrada e deparo-me com blocos de betão. Como posso ir entregar os medicamentos?" interroga-se, perante a inignação de "não haver no local qualquer agente da autoridade que possa dar informações".

Como diz o povo, a necessidade aguça o engenho. Carlos faz marcha-atrás, entra na A1, sai em Santa Maria da Feira e, ao fim de uma hora de voltas e reviravoltas, lá consegue chegar ao seu destino em Ovar.

Quilómetros a mais e de trabalho também

O momento não é fácil para nenhum português e para os distribuidores também não.

"Tenho muito, muito trabalho. Estou completamente estafado, a trabalhar 12 horas por dia. Fazemos só uma entrega, mas essa entrega demora imensas horas", desabafa Carlos Coelho, que sublinha que nesta altura "não há falta de medicamentos e as farmácias estão a comprar muito, até porque há outras patologias, para além da Covid-19", que continua a levar os portugueses aos estabelecimentos farmacêuticos.

Farmácias de Ovar sem falta de medicamentos

O cerco sanitário no concelho de Ovar, apesar das dificuldades acrescidas para os distribuidores, não está a impedir que as farmácias trabalhem com normalidade. Dois estabelecimentos farmacêuticos da cidade Ovar, contactados esta sexta-feira pela Renascença, coincidem na constatação de que as dificuldades sentidas no abastecimento são essencialmente no álcool higiénico, máscaras e luvas para venda ao público.

"O pouco 'stock' que temos está reservado para nós, para podermos continuar a atender", diz uma das fontes. Já quanto aos medicamentos, não havendo falhas, os constrangimentos na distribuição fazem-se sentir.

"As encomendas continuam a chegar, mas nós tínhamos três encomendas por dia e agora só temos uma, porque o fornecedor, devido ao aumento da procura, cortou as voltas", sublinha a mesma fonte, deixando claro que "o cerco sanitário não é impeditivo de que os medicamentos estejam a chegar à farmácia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+