Tempo
|
A+ / A-

Onze jovens marroquinos intercetados pela Polícia Marítima em Olhão

29 jan, 2020 - 08:29 • Carla Caixinha com Lusa

A embarcação foi detectada pelas 5h30. Três migrantes tiveram de receber assistência médica no Hospital de Faro.

A+ / A-

A Polícia Marítima intercetou uma embarcação próximo da entrada da barra da Culatra, em Olhão. A bordo seguiam 11 imigrantes ilegais, mas três tiveram de receber assistência no Hospital de Faro.

Segundo o capitão André Cardoso de Morais, os jovens disseram ser do Norte de Marrocos e têm entre 21 e 30 anos.

O barco, que só tinha a bordo alguns mantimentos e combustível, foi intercetado cerca das 4h30.

Os jovens, que não tentaram fugir, foram encaminhados para a capitania de Olhão e aguardam a chegada de elementos do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

O comandante do porto de Olhão explicou ainda que três homens foram encaminhados para o Hospital de Faro “para despistar eventuais problemas de saúde”, pois apresentavam dores abdominais.

“A embarcação suspeita era de reduzida dimensão, do tipo ‘boca aberta’, de madeira e motor fora de bordo, tendo a Polícia Marítima efetuado o seu acompanhamento até ao porto de Olhão, onde atracou em segurança”, pode ler-se na nota da Autoridade Marítima Nacional.

Os imigrantes ilegais que seguiam na embarcação não têm documentos e vão ser ouvidos por um intérprete do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), disse fonte deste organismo à agência Lusa.

Os 11 homens falam "muito pouco francês" e que só depois de o SEF avaliar toda a situação destas pessoas é que será tomada uma decisão.

É o terceiro caso no Algarve. A última situação aconteceu em dezembro de 2019, quando oito jovens (entre os 16 e os 20 anos) desembarcaram numa praia de Monte Gordo.

Em dezembro de 2007, as autoridades também detetaram um grupo de 19 imigrantes alegadamente provenientes de Marrocos na ria Formosa, junto a Olhão, naquele que foi o primeiro incidente do género registado na costa portuguesa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • 29 jan, 2020 13:55
    sem documentos, sem françês (? tanga, claro ) mas com topo de aparelhos topo de gama para combinar futuras operaçoes ... mas por favor, os nossos parceiros da europa devezm levar com a cronica ingenuidade e incompetencia de quem e supôsto gerir as entradas. Com o corona em plena evoluçao, e muito boa a opurtunidade, de resolver o nosso problema demografico com ilegais ... e deveras mt grave tudo isto ....
  • 29 jan, 2020 13:46
    sese nao os enviam recambiados, isto nao so nao acaba como se vai amplificar. Nunca tem documentos e nao falam françes (?)( em marrocos fala se françes ) . gradas intrujas. Com os nabos que temos a gerir este assunto, teremos as praias do algarve cheia de tendas myuito rapidamente. este verao veremos ja de que falo.... e dramatico; Somos nos, a frnteira da europa, regidos por regras da EU.
  • Vigilante
    29 jan, 2020 Do Ar 09:50
    A vigilância deve ser logo à saída das águas territoriais de Marrocos, e a intervenção deve ser quase imediata. Acordem a Marinha e a Força aérea. Não queremos - quer dizer, os habituais exploradores de mão-de-obra barata, esses querem - hordas e hordas de ilegais a virem para cá. Já cá temos 500 000 estrangeiros, não precisamos de mais.
  • Começou
    29 jan, 2020 Portimão 09:30
    Andaram com eles ao colo, agora há uma nova rota para os ilegais e que passa por cá. Isto é só o início. A enxurrada há-de aparecer. O pior é se é o Turismo que começa a (des)aparecer...
  • Q
    29 jan, 2020 Lisboa 09:17
    Jovens entre 21 e 30 anos? Isso parecem mais homens feitos. E não consta que haja alguma guerra no norte de Marrocos, por isso por favor não lhes chamem refugiados. Se Portugal nao comecar a deportar estes imigrantes ilegais rapidamente, mais virao. Acolher imigrantes ilegais em massa nada tem a ver com humanidade, significa aceitar a substituição de portugueses por estrangeiros que chegam ilegalmente e que estao a ter facilidades (inclusive financeiras) que sucessivos governos se recusam a dar a portugueses nascidos em Portugal. Quem lucra com esta imigração de massas? Os traficantes de pessoas, mais noticias sobre esses.

Destaques V+